Archive for the ‘Zona da Mata Norte’ Category

escondidos na biblioteca

quinta-feira, fevereiro 6th, 2020

U m barulho levou-me ao que chamo de biblioteca, aqui em casa, um quarto onde alguns livros estão postos em estantes, arrumados na melhor forma possível para deles me servir. Eles ficam lá, esperando que os abra, vez em quando, em busca de informações, de reflexões que outros desenvolveram com o objetivo de aperfeiçoarem-se e, ajudar quem viesse a se interessar, como é o meu caso. O barulho, descobri, depois, foi causado pela queda de uma prateleira que não resistiu ao peso de um volume da Divina Comédia e outros livros escritos sobre a história do Brasil, mais especificamente, de Pernambuco. Juntando os livros, descubro que meus gatos haviam tentado dormir sobre um baú de fotografias e as espalhado. Dedico-me às fotos, o olho que me resta quer divertir-se com as imagens e cores. Começo a organizar, melhor, limpá-las e descubro-me no encontro dos dois séculos de minha vida.

Os últimos anos do século XX levaram-me ao Sertão, mais especificamente à Belém do São Francisco, pois algumas pessoas que não me conheciam solicitaram-me a auxiliar na reorganização do curso de História do CEVASF. Meus finais de semana ficaram comprometidos, pois da sexta-feira, após o expediente da UFPE até o domingo passaram a ser ocupados com jovens do sertão do São Francisco, das duas margens, que frequentavam aquele centro universitário criado havia cerca de vinte anos. Depois soube que um dos colegas do Departamento de História havia participado da criação de um entidade que oferece curso superior no Sertão. Eu já havia estado na margem do São Francisco no final dos anos sessenta e início dos setenta, cuidando de animar a juventude católica, a chamada Pastoral da Juventude. Naqueles anos foi Petrolina, a diocese dirigida por Dom Antônio Campelo de Aragão que recebera meus serviços. Depois, já no início dos noventa, estive em Petrolina em curso de Especialização, promovida pela Fundação de Ensino de Pernambuco, que então se organizava para ser a Universidade de Pernambuco. Fui substituir um colega que deveria ir a São Paulo. Foram duas experiências diferentes, e delas tiro proveito até hoje, pois além de receptivas, as pessoas sempre me apontaram caminhos que eu desconhecia. Fui conhecendo o meu povo, fui me conhecendo, ampliando meus olhares para o interior do meu Estado, o que me diziam ser o Brasil profundo. Aprendi a ver os contrastes diversos. E o que fazia eu?

Uma vez o professor Eduardo Hoornaert disse-me que eu estava fazendo o trabalho de “vulgarização do conhecimento”, mas no sentido, disse-me ele, do que foi a Bibliothèque Bleue , a Biblioteca Azul, uma experiência de leituras populares que tornaram accessíveis o conhecimento aos grupos de menor prestígio e poder econômico, no Antigo Regime, mas também no início do tempo da modernidade industrial. As fotografias espelhadas e que pediam organização, mostraram-me nas cidades baianas e pernambucanas banhadas pelo rio São Francisco, mas não apenas elas, pois estive em Euclides da Cunha e em toda a região de Jeremoabo para conhecer de onde chegavam os alunos a quem eu iria servir. Fiquei tão envolvido por esse trabalho que perdi um ano do Nóis sofre mas Nós goza. E esqueci que devia participar de eventos nas capitais, eventos promovidos pelas instituições de pesquisa em história. O Sertão me engoliu por quase uma década. Depois, as fotos levaram-me para a experiência na Mata Norte do Estado de Pernambuco, pois fui convidado auxiliar o Ponto de Cultura Estrela de Ouro de Nazaré da Mata, de quem fui servo até 2015. Dois mundos que me tomaram e que me alimentam até hoje.

MARIANO TELES, Mestre de um Povo Novo

terça-feira, fevereiro 19th, 2019

Políticas públicas que auxiliem a promoção de pessoas ou grupos de pessoas, comunidade são necessárias em sociedades como a nossa, caso haja o desejo de diminuir as desigualdades e afirmar a liberdade republicana para todos os que formam a nação. Somos uma nação resultante da chamada Revolução Mercantil, promotora das Grandes Navegações realizadas por Espanha, Portugal, seguidos por Holanda, França e Inglaterra. Tal Revolução tecnológica está ancorada no Livro e na pólvora como arma eficaz de dominação. Mas, apesar de nos voltarmos tanto para os feitos dos generais e seus exércitos conquistadores, foi a imprensa que garantiu o domínio cultural sobre os povos americanos, e mesmo sobre outras civilizações melhor apetrechadas nas criações espirituais, mais sofisticadas que as mantidas pelos Povos Coletores e Caçadores. A escrita, sobre a qual os europeus estavam aperfeiçoando o domínio com a tipografia, e a decisão de evitar que os povos submetidos a ela tivessem acesso, foi o que estabeleceu e manteve a dominação nas terras que receberam o nome do empregado dos banqueiros italianos. Além da conquista territorial, consequência das vitórias militares, foi a conquista espiritual que garantiu aos povos da pequena Europa estabelecer seus padrões básicos de hábitos, costumes, religião, leis aos povos que eles encontraram em seu périplo. Darcy Ribeiro ensinou que esta Revolução Tecnológica resultou Povos Testemunhos, Povos Transplantados e um Povo Novo, o Brasil.

O Povo Novo, surgido no processo da Revolução Mercantil, não teve acesso direto à tecnologia, recebendo-a à conta gotas, sempre que interessava aos conquistadores. Ora, é a leitura o instrumental básico para a transmissão e recriação do mundo moderno e, como sabemos, não houve qualquer interesse em construir escolas que tornasse comum a leitura, a escrita e o estímulo à criação de bibliotecas. Os portugueses não tomaram iniciativa de popularizar a tecnologia da escrita e da leitura; os espanhóis criaram, de imediato universidades em algumas de suas colônias, mas não escolas para o vulgo, o índio, o meztizo; as universidades estava para atender os Creoulos, para a formação de quadros administrativos garantidores da dominação. Assim os espanhóis, segundo Darcy Ribeiro, fizeram das civilizações Inca, Maia e Azteca, povos Testemunhos.

Nesta semana que passou, dia 14, ocorreu a morte de Mariano Teles, pessoa que conheci no início do século, mas que nasceu na primeira metade do século XX. Foi em um dos engenhos da cidade de Aliança e, em sua adolescência assistiu o desmanche dos engenhos de fogo morto, tornados em fornecedores de cana para as usinas que se estabeleciam na região desde o início do século XX. Mas enquanto a cana chegava vagarosamente, os sítios eram os locais de moradia dos trabalhadores da cana, e nesses sítios, descendentes de escravos que se caldeavam com descendentes de índios, criavam suas brincadeiras, ou davam novo sentido a essas brincadeiras. Quando Severino Lourenço da Silva, que ficou conhecido como Mestre Batista, estabeleceu-se no sítio Chã de Camará e começou a fazer “samba” nos finais de semana, Mariano Teles começou a frequentar o lugar e, um dia, tomado de muita coragem, pediu para entrar na brincadeira do Cavalo Marinho. Nunca mais deixou de brincar e aprendeu tudo que podia aprender com o Mestre Batista, de tal maneira que, cm a morte de Batista, Mariano passa a mestrar, e o fez até que sua saúde permitiu. Na universidade do Mestre Batista, foram formados os Mestres Biu Alexandre, Luiz Paixão, Biu Roque, Mané Salustiano, Gumercindo, Grimário, Mané Deodato, Antônio Teles, Zé Duda, Mariano Teles e muitos outros, inclusive o jovem Siba.

Mestre Mariano Teles conviveu com todos esses nomes famosos no mundo que fica distante daquele que está mais próximo da tradição europeia, mas que, recentemente, vive a conversar com esses mestres da cultura que o povo recriou, a despeito das imposições ou, talvez, por causa das imposições. Assim, o Cavalo Marinho, que o padre Lopes Gama, o Carapuceiro do Recife da segunda metade do XIX, dizia não conhecer algo “ tão tolo, tão estúpido e destituído de graça, como o aliás bem conhecido bumba-meu-boi. Em tal brinco não se encontra nem enredo, nem verossimilhança, nem ligação: é um agregado de disparates. Um negro metido debaixo de uma baeta é o boi, um capadócio, enfiado pelo fundo de um panacu velho, chama-se cavalo marinho; outro, alapardado sob lençóis, chama-se burrinha; um menino com duas saias, uma da cintura para baixo , outra da cintura para cima, terminando para a cabeça com uma urupema, é o que se chama caipora. Há além disso outro capadócio que se chama pai Mateus.(…)”. (O Carapuceiro, n.2 (11/1/1840) citado por Evaldo Cabral de Melo).

A descrição da brincadeira que o padre assistiu – a contragosto, diga- se, continuou a existir em alguns bairros do Recife, mas escondeu-se na Mata Norte do estado, recriando-se e se mantendo, com a inteligência e a memória dos que não tiveram acesso às tecnologias, mas viam e ouviam e, desse vir e ouvir, guardaram, cultivaram as experiências que hoje são buscadas pelos doutores diplomados que, às vezes com falsa humildade, sentam-se aos pés de mestre como Mariano Teles, para saber como é e que era o passado de seus (nossos) avós. Mariano Teles pode ter sido o último Mestre da Cultura Popular que não foi afetado pela escala de espetáculo que vem dominando o conhecimento da cultura popular; não se tornou “artista”, continuou Mestre, em Chã de Camará, assistindo, de longe os brilhos de seus colegas em plagas distantes, dançando sob os olhares dos novos carapuceiros que, parecem saber mais que todos, e assumem a tarefa de dizer o que vale ou não vale a pena ser cultivado.

Mestre Mariano Teles, a quem ouvi, sentado no banco de seu quarto, ou debaixo de frondosa jaqueira no sítio Chã de Camará, continuou cantando e dançando os Arcos de São Gonçalo no chão de terra batida, mas cheio de barroca; ali onde ele aprendeu os versos da Estrela de Belém, continuava ensinado às crianças; no mesmo terreiro ensinava a Toada do Vaqueiro e o drama de suas filhas. Todas as Figuras ele sabia cantar e dançar, como ensinou ao jovem Mestre Zé Mário.

Jamais esquecerei a singeleza e a elegância da resposta que, uma noite deu ao seu amigo Mestre Salustiano, em um dos primeiros Encontro de Cavalo Marinho. Mestre Salustiano Perguntou: “Mariano, qual a figura mais bonita do Cavalo Marinho” Ele disse: “não sei, se eu disser que é esta você vai dizer que é aquela, seu disse que é aquela, você vai dizer que é esta. Cada tem a sua preferia e a preferida é a mais bonita para quem acha.”

Saudade de Mestre Mariano Teles, mestre de um povo novo, que se tornou novidadeiro. Ele não, foi para outra Chã, foi dançar com Mestre Batista, conversar com Salustiano e, com Biu Roque, cantar.

Família, infância, Capibaribe: meu rio

sexta-feira, junho 1st, 2018

As manhãs têm as suas manhas. São essas pequenas passagens do tempo, o tempo do sonho em direção ao tempo da azáfama, do repouso para o movimento traduzido em sons e suores. O início da manhã carrega o fim da noite, o sonho que parece não ter acabado. Nesta manhã comecei com a paisagem distante da pequena propriedade que meu pai tinha, ali na beira, em uma das margens do rio Capibaribe, onde passei meus primeiros anos que ainda lembro. Imagens fugazes, fugidias, como a de um ladrão que escapava pela janela, no início da noite, enquanto nós tomávamos o “café da noite” que hoje chamo de jantar. Aquele vulto pulando para fora de nossa casa ainda está pregado na minha memória, ou imaginação, de menino de quatro anos. Não sei, nem posso mais confirmar isso com minha mãe ou meu pai, ele que me vem na lembrança a sair, com uma arma na mão, em direção da escuridão. Na volta teria dito que foi até a casa de meu tio Sérgio, irmão de mamãe, que marava para as bandas do lado esquerdo, em direção de Apuá. Na manhã seguinte, esse foi o assunto na bodega que ficava na parte da frontal da casa.

A lembrança daquele fim de dia, vem sempre acompanhada com outras, a de ficarmos comendo pimentões ou chupando laranjas na calçada da casa. Outras lembranças chegam, e quando seguimos para o lado direito em direção do Engenho Eixo Grande, onde moravam minha tia Djanira e seu esposo Luiz Cavalcanti, Tio Lulu e suas filhas: Inês, Graça e Fátima. Sempre gostei muito de Graça. Depois de uma viuvez precoce, Tio Lulu casou mais uma vez, com Julinha, irmã de Djanira e teve mais filhos. Marcelo, Isabel, Lulinha. Muitas férias escolares ali passei, depois que já o Recife nos abraçara, em nossa fuga em direção do futuro.

Daquele mundo tenho muitas lembranças, sendo uma delas o que talvez seja a minha mais antiga ligação com África, a existência de Zé de Mina, um negro esbelto e sorridente que era sempre o sucesso nas festas, porque era um exímio cozinheiro, além de lavrador da terra seca, mais distante da margem do Capibaribe.

Do outro lado do rio moravam meu padrinho Cazuza, que era irmão de Lulu, e Odete, sua esposa e minha madrinha. Esse Capibaribe de minha primeiríssima infância, na beira do canavial sempre volta; nostálgico daquelas primeiras alegrias que é cada vez só meu, pois o tempo já engoliu alguns dos personagens que viram meus primeiros assombros na vida. Nem sei o nome deles, apenas alguns gestos que ficaram a me ensinar que é assim o curso da vida: fazemos algumas barragens, como a que fizeram em Apuá, guardaram o Capibaribe para que ele chegasse manso no Recife, e não caudaloso, como sempre foi desde Carpina.

Sou agora, como esse Capibaribe quase morto que tranquilizou, na capital, os filhos dos migrantes da Mata Norte: Eles nem imaginam como era forte meu Capibaribe!

Especialmente para meus primos,os filhos de Tio Lulu.

Homenagem a Zé Duda, a Garganta de Aço de Nazaré da Mata, Mestre de Maracatu de Baque Solto.

quinta-feira, setembro 24th, 2015

Uma das características das comunidades e dos grupos tradicionais é o respeito aos mais velhos. Eles são os guardadores das memórias de todos. Em sociedade de pouca ilustração literária, eles são o dicionário e a enciclopédia que tudo sabe. Eles são sempre simples, cessíveis e dispostos a dividir o seu conhecimento. Sua importância é tal que os franceses, exploradores e destruidores de parte das tradições de povos africanos nos séculos XIX e XX, após a Segunda Grande Guerra, a que pôs fim a destruição de seu império afro-asiático, quis dar tons de nobreza a esses homens e veio a palavra GRIOT. Ela que definir a importância desses velhos senhores na manutenção e transmissão do essencial da cultura desses grupos.

Na tradição judaica, o Conselho dos Anciãos são de grande importância na garantia da pureza da sua fé e tradição, da sua cultura e da sua religião. Ser Ancião, mais do que ter vencido a idade mais que seus contemporâneos, é título que se respeita, ainda que dele se tenha alguma discordância. O respeito ao Ancião é garantia da vida cultural do grupo.

Os indígenas temiam e respeitavam os pajés, homens que guardavam os segredos da vida, do tempo, das doenças e da saúde. Era uma função perigosa, pois se a tribo viesse a sentir-se prejudicada por alguma de suas ações, podia expulsá-lo e até matá-lo. Mas há sempre a noção de respeito, como é demonstrado nos rituais da Jurema Sagrada, em Casas de Candomblé ou de Umbanda, lugares em que o Preto Velho vem com seus conselhos e admoestações. E esses pretos velhos foram abandonados após a Lei do Sexagenário, com a impressão de que se lhes davam a liberdade.

Poderíamos seguir mostrando a importância desses senhores e o respeito que a eles é dedicado, até mesmo em sociedades que abraçaram fortemente e são símbolos da modernidade, como é o caso da sociedade japonesa.

Os brinquedos tradicionais da Mata de Pernambuco, os brinquedos populares vivem da memória e da poesia de seus mestres. Alguns dos atuais mestres quase criaram essas manifestações culturais, quero dizer, quase estiveram presentes nos primeiros momentos desses brinquedos que formam a cultura pernambucana. Essas tradições começaram a ser criadas nos anos seguintes à leis que levaram à Lei Áurea, nos momentos anteriores e seguintes à Proclamação da República. Elas têm perto de 130 anos e, mestre Zé Duda, por exemplo, tem 75 anos e conviveu com ANTONIO BARACHO, ZÉ CATU, JAOQUIM MIGUÉ PAILINHA ZÉ VIRIÇO, BATISTA, alguns dos pioneiros, talvez a segunda geração de homens livres para brincar. Homens como Zé Duda e Mestre Mariano são a memória dos tempos inventores dos sambas e moduladores dos movimentos; eles aprenderam com os primeiros mestres, continuaram e aperfeiçoaram seu trabalho, tornaram público o pensamento da gente comum, pois o pensamento da oligarquia açucareira possui seus próprios intelectuais e os modernos meios de reprodução cultural.

É Considerando esses pensamentos e outros que aqui não estão escritos, é que entendo ter sido muito justo o que ocorreu no dia 16 de setembro, na cidade do Carpina: o jovem mestre de maracatu, André de Lica, atual mestre do Cambindinha Brasileiro de Araçoiaba, prestou a José Bernardo da Silva, conhecido como Mestre Zé Duda, e é reconhecido como o Garganta de Aço, o Papa Troféu.
Zé Duda começou em 1951 a mestrar, ainda menino. Seu modelo primeiro foi Baracho. Durante 41 anos foi Mestre do Maracatu Estrela de Ouro de Aliança. Viu o “Estrela de Camará” nascer, crescer, vencer e ser modelo de novos maracatus. Neste ano de 2015 ele despediu-se da sua Estrela e dos carnavais após vencer na Avenida Dantas Barreto e levar a Estrela ao lugar onde só brilham os campeões.
Agradeço a André de Lica ter organizado o encontro de mestres para homenagear um dos maiores mestres do Maracatu de Baque Solto, Zé Duda, o Peito de Aço de Nazaré da Mata. O seu gesto é de quem ama sua cultura e sabe quem são os heróis do povo, os mantenedores da sua cultura e da vida de sua alma

Mestre Antônio Teles, a rabeca de Condado

domingo, junho 21st, 2015

As criações culturais nascidas da criatividade de pessoas das camadas mais distantes dos centros de poder, quase sempre, são familiares. Quer dizer são pessoas da mesma família que produzem aquele tipo de cultura, aquela brincadeira, ou a dança, ou o jeito de cantar, ou jeito de tocar um ou vários instrumentos. Claro que sempre aparece o traço pessoal, o jeito demonstrar a sua individualidade. No universo dos matutos, dessa população da Zona da Mata Norte de Pernambuco, são várias as famílias que se tornaram famosas pela sequencia geracional da arte, como é o caso dos Salustiano – João, Manuel e seus filhos dedicados a fazer o toque da rabeca, o movimento dos pés no Cavalo Marinho, o andar dos caboclos. Mas hoje quero falar um pouco do pouco que sei dos Irmãos Teles – Antônio e Mariano, trabalhadores nos canaviais e artistas de seu povo.

Mariano Teles é o famoso Capitão do Cavalo Marinho da Chã de Camará, ou seja do Cavalo Marinho organizado e mantido pelo Mestre Batista, referendado pelos atuais mestres como o responsável por manter, no seu sítio, essa tradição que teria herdado do seu avô. No terreiro da Chã de Camará, próximo às Três Vendas, na embocadura do caminho que leva à Lagoa Seca, rebatizada por Mário Melo como Upatininga, e até à sua morte, o Mestre Batista era a fonte de informações para os mais jovens. Ali ele transmitia seus conhecimentos dançando o Cavalo Marinho, botando figuras e, com os meninos olhando, exibia o seu saber. E os jovens bebiam o que os mais velhos faziam, cantavam e dançavam. Entre os jovens estavam os irmãos Antônio e Mariano Teles.

Antônio abraçou a rebeca e especializou-se em tirar sons para acompanhar as danças do Cavalo Marinho e também tocar a sua rabeca nos bailes que aconteciam nos sítios, “no tempo em que havia sítios, galos e quintais”. Sentado no Banco do Cavalo Marinho, Antônio Teles fez fama e sua reputação como memória dessa brincadeira é grande. Mas seu jeito mais calado do que outros o manteve no instrumento e, no banco, aproveitou para decorar e aprofundar seu conhecimento na dança, nos textos do teatro que o povo dos sítios e, depois, das pontas de rua, gostava de ver e passar a noite. Foi esse conhecimento que Antônio Teles passou para a sua filha, Nice, que herdou o amor e cuidado com a tradição cultural. Antônio Teles admitiu que Nice sentasse no banco e tocasse e cantasse. Foi ela a primeira mulher a sentar no banco que era exclusividade masculina. Assim a família seguiria, como está a seguir, o caminho da preservação identitária da região. Esse carinho é faz crescer a importância da Família Teles no universo cultural da Mata Norte e do Estado de Pernambuco.

Antônio Teles foi também um organizador da religiosidade de seu povo. Um aspecto pouco conhecido, mas de grande importância.

Ao tomar conhecimento da morte de Antônio Teles veio-me à mente nosso primeiro contato, um tímido contato na sombra das jaqueiras da Chã de Camará. Nossas primeiras palavras e depois assistir e sorver o som de sua rabeca, para que as crianças dançassem alguns passos de Cavalo Marinho, as crianças da Escola Sebastiana Maria da Silva, do Ponto de Cultura Estrela de Ouro de Aliança. Em seguida tive o prazer de vê-lo ensinar a Ederlan Fábio os movimentos para arrancar o som da Rabeca. Outro momento com o Mestre Antônio Teles foi em uma viagem a Salvador, para uma apresentação. Fiz uma entrevista de meia hora, mas a fita cassete não quis vir comigo, ficou no quarto do hotel. Ficamos de nos encontrar mais uma vez, entretanto jamais pude refazer aquela conversa.
A nossa cultura recebeu o cuidado do Mestre Antônio Teles que nos deixa a herança com sua filha e netos, uma herança que muito frutifica. Nessas horas costumasse dizer que “a cultura ficou mais pobre”, mas como dizer que a saída de cena do Mestre Antônio Teles nos empobreceu se ele nos deixa a sua riqueza biológica e cultural em plena atividade? Sim, vamos nos sentir tristes, mas sabemos que Antônio Teles está conosco, com sua família que extrapola os limites do Condado, pois ele é um dos responsáveis por ser, a Dança Dramática do Cavalo Marinho uma marca da identidade pernambucana.
Que São Gonçalo do Amarante receba esse homem cujos pés não reclamaram das barrocas do terreiros, e o leve a Olorum, a Jesus e festejem com os Santos Reis do Oriente a alegria da repartição do boi. Amém! Axé!

Festival Canavial e Dom Hélder Câmara

sábado, novembro 15th, 2014

 

O Direito de Celebrar

 

Manhã do dia 15 de novembro 2014. Sem grande participação popular, a República do Brasil começou a 115 anos. Um grupo de soldados, bacharéis e jornalistas afastaram a monarquia e desejaram construir uma nova maneira de gerir os interesses públicos. Mas desde logo se observou que parte do povo brasileiro ficou assistindo como besta e, depois, continuou sendo bestializado. Trabalhador construtor de riquezas, homens e mulheres continuaram a viver seus afazeres, particulares e públicos, com as dificuldades de sempre. Desde ontem estou em Nazaré da Mata participando do 8° Festival Canavial, que teve seu início humilde nas Festas de Terreiros, realizadas no Ponto de Cultura Estrela de Ouro de Aliança, uma festa mensal que punha o desafio para alguns rapazes e moças do entorno da Chã de Camará: treinarem a produção de um evento. Era a recuperação de uma tradição: o povo fazer a sua própria festa, em um momento em que as administrações federais, estaduais e municipais teimavam em desconhecer as criações artísticas dos trabalhadores rurais e urbanos da República. Os organizadores da Festa de Terreiros entendiam que a arte, a educação artística, é um caminho para a cidadania. Coquistas, Repentistas, bailarinos de Cavalo Marinho, Cirandeiros, Maracatuzeiros, Forrozeiros, Guerreiros, Sanfoneiros, eram os convidados para cantar e dançar com os trabalhadores dos canaviais da Mata Norte de Pernambuco. Aqueles que foram bestializados apresentavam-se para que eles mesmos conhecem-se as belezas que construíram nos cem anos, que literato chamava de solidão, mas eram, simultaneamente de criação, afirmação de sua maneira de ver, entender e recriar o  mundo. Nesses oito anos, o Festival Canavial vem se ampliando e já ultrapassou os limites da Mata Norte, com presença nas litorâneas Olinda e Ipojuca, e na agrestina Limoeiro. Interessante é que onde chega o Festival Canavial não encontra espaço vazio, mas chega para alimentar o fogo da vida que pulsa naquelas cidades, uma vida periférica que acolhe o festival que auxilia a troca de experiências dos criadores da cultura brasileira com as suas especificidades locais.

Nesta manhã que celebramos o advento da República, vejo como o rio da cultura popular vem se alastrando no exercício da cidadania. Nossa República tem sido bastante acossada por hábitos oligárquicos de mandonismo, que nos fizeram viver vários momentos de governos ditatoriais. O mais recente findou em 1985 e, desde então vivemos o mais longo período de vida democrática em nossa sociedade. Alvísseras e gritos de alegrias por esse período que desejamos uma maior duração. E, é necessário que compreendamos como ele foi construído, esse período tem longa gestação, que é a gestação de nossa cidadania, a criação e conquistas de nossos direitos. Ninguém pode arvorar-se a dizer que ‘fiz isso e fiz aquilo’, ‘eu dei tais e tais direitos’. Os que assim agem denunciam o seu ranço de dominador, escravizador de homens e mulheres. O que temos hoje em nossa República tem sido resultado do trabalhos, dos sofrimentos, do anseios, das esperanças dos bestializados que, vez por outra encontra alguém a simbolizar essa luta. Zumbi dos Palmares, oculto dos brasileiros durante três séculos, hoje simboliza as lutas e as conquistas que fazem de nós um povo livre e que luta contra os diferentes tipos de amebas políticos que os rondam. Ontem, recebi uma notícia que tem relação enorme com o que estou vivendo aqui neste 8º Festival Canavial. Amigos me informaram que, parece, Dom Hélder Câmara foi definido em lei como Patrono dos Direitos Humanos no Brasil. Rapidamente a memória levou-me para o já longínquo ano de 1967, quando escutei Dom Hèlder conversar sobre Mahatama Gandhi e Martin Luther King. Vivíamos sob o duro tacão da ditadura imposta por civis e militares ao povo brasileiro. Era a ditadura que eu conheci, Dom Hélder falava de outras que ele conhecera, especialmente a que terminara em 1945. Foi durante aquela ditadura comandada por Getúlio Vargas que ele começou a experimentar a transição da tentação totalitária para a vida democrática. Creio que a sua experiência com os jovens da Ação Católica deu-lhe a compreensão dos limites que eram impostos ao povo brasileiro, com o intuito de mantê-lo sempre bestializado. Como bispo auxiliar do Rio de Janeiro iniciou o processo de garantia do direito à moradia decente para os favelados. Foi o Drama da Habitação Popular que o apaixonou e que deu início ao ódio que lhe dedicaram os exploradores e fabricantes de marionetes. Dalí para sonhar com a ações encaminhadoras da cidadania foi um passo acertado. Vieram a SUDENE  e a SUDAN, depois desencaminhadas de seus objetivos iniciais para garantir o prazer do lucro aos que sempre lucraram com a bestialização do povo. Assisti Dom Hélder iniciar a Pressão Moral Libertadora, uma rota de não violência para fortalecer os que agiam para superar a destruição do homem. “Nordeste, o Homem proibido” foi, salvo engano, o primeiro documento a afrontar os ditadores  ao clamar contra a destruição dos homens e mulheres pela exploração desenfreada que não  lhes permitia iniciar a jornada para estabelecer no Brasil o que foi definido na Declaração Universal dos Direitos Humanos, pela ONU em 1948. Foi a defesa dos Direitos Humanos que tanto incomodou coronéis, generais, de farda indústria ou terras. O Estabelecimento da primeira Comissão de Justiça e Paz, na Arquidiocese de Olinda e Recife é um marco na história do Brasil, na história da superação da bestialização a que vem sendo submetida parte da sociedade brasileira.

Entendo o Festival Canavial, como muitos outros semelhantes a ele que são organizados neste país, afora e adentro, neste início do século XXI, como o início do alcance da liberdade de criar a arte e de poder expressá-la para si e para os seus. Todos esses festivais que nos expressam, que expõem a nossa cultura são resultados da luta pelos Direitos Humanos.

Nesta manhã republicana, nesta semana da celebramos a necessidade de assumirmos que somos negros, índios, mestiços, caboclos, evangélicos, católicos, brancos, xangozeiros, candomblecistas, macumbeiros, catimbozeiros, matutos, caipiras, e tantas outras identidades que nos faz belos brasileiros, belos seres humanos.

 

Severino Vicente da Silva – Biu Vicente