Nosso lugar na ONU

O mundo continua a girar, e eis que, como de costume o representante do Brasil faz o discurso de abertura da Assembléia Geral da Organização das Nações Unidas – ONU. Tem sido assim desde a primeira reunião. Não há novidade, exceto que quem preside o Brasil atualmente é uma mulher, por isso, pela primeira vez uma mulher, por ser presidente do Brasil, faz o discurso inicial da Assembléia. Apressados áulicos chegaram a dizer que era a primeira... Leia mais

História da “base” e histórias da base da sociedade

Semanas e os dias passam, cultivamos sempre a esperança e nos alegramos com as conquistas diárias com as quais construímos nossas vidas. O esforço diário é que nos permite termos o que temos, nada vem do céu, gratuitamente, não existe essa mão invisível que concede benefícios, embora minha avó e minha mãe tenham me ensinado que “Deus ajuda quem cedo madruga”, ou seja, que trabalha. Nada vem dessa mão invisível que certo programa... Leia mais

A Pretinha do Congo, a Ciranda e a educação na Mata Norte

Como alguns já vinham dizendo à boca pequena, esse modelo, que tanto tem feito a alegria dos produtores e consumidores, começa a apresentar claramente seus rachões. Foi comunicado que uma empresa que exige conhecimentos maiores que apertar parafusos decidiu não se estabelecer em Goiana acusando a ausência de mão de obra especializada. E empresa está lembrando que sem uma política educacional séria não há como integrar-se moderno universo... Leia mais

Um ponto de cultura e as culturas em procissão

O final desta semana foi bastante interessante, cheio de novidades que se repetem e fazem a continuidade da vida parecer ter sentido. Sair da cidade grande, passar algum tempo em cidades menores, nelas agir positivamente ou simplesmente caminhar em suas ruas nos traz ânimo novo. Afinal em fim de período de férias todas as pequenas alegrias têm gosto de um copo de suco de laranja espremido quase no momento de consumação. A tarde do sábado no... Leia mais

Leitores e leituras

Depois que alguns amigos de profissão, sem comentários, solicitaram não mais receber informações sobre o que eu penso, fiquei feliz, pois entendi que estava sendo lido, comentado e, portanto, provocando reações que levam à produção do conhecimento. Há algo mais valioso que isto? Penso que não. Por outro lado, fiquei sem saber o que os deixava tão constrangido em meus pensamentos. O “não comentários” deles implica que ficarei... Leia mais

Culturas brasileiras

A saída de Garanhuns após uma semana de festival pode nos permitir uma reflexão mais larga sobre possíveis importâncias para o evento. Há que se afirmar que é um momento especial para os que recebem uma multidão de visitantes. Há uma alegria bem curtida pela rede hoteleira bem como para o comércio em geral. Os olhos dos gostam de ver os visitantes ocupando as ruas ou a esvaziar os copos de chocolate quente ou vinhos da região nordeste,... Leia mais

o inverno em Garanhuns

O mês de julho continua célere em sua trajetória com chuvas, ventos, inundações, calor e frio. Calafrios ocorrem no Planalto Central do Brasil nas hostes do Partido Republicano que havia trans formado o ministério dos transportes em sua república, dividida com alguns do Partido dos trabalhadores, desde a época do “nunca antes neste país”. Se quando começaram a aparecer notícias sobre a apropriação dos recursos que deveriam tornar... Leia mais

Cultura pernambucana e Vito Miracapilo

Preparo-me para passar alguns dias em Garanhuns, durante o Festival de Inverno que ali acontece pela vigésima primeira vez. Este ano vou trabalhar: fazer uma oficina/aula/curso sobre a cultura pernambucana. Iremos discutir como ocorreu a formação de Pernambuco e a diversidade de sua cultura. Irei chamar atenção sobre como o período republicano foi o momento essencial e criativo para a cultura dessas populações embora tenha como âncora experiências... Leia mais

São João

Em cidades como Santo Antonio de Jesus é tempo de soltar foguetes e, no Brasil profundo todas as cidades gostam de balões, fogos de artifícios, desde os mais simples até aqueles que são utilizados para celebrar início de ano ou vitória espetacular, esperada ansiosamente, como essa vitória dos “Meninos do Santos” que fez o Pelé chorar, cinqüenta anos depois de vitória semelhante. Esse tempo junino também é tempo de acender as fogueiras... Leia mais

“Assoletrando” a realidade

  Vivo um momento impar da democracia que ajudamos a criar ao longo da ditadura comandada pelos militares. Jamais entendi como democrática a frase famosa dos ditadores que costumavam dizer que “não agiriam sob pressão”. Eles não admitiam que alguém não entendesse que as razões por eles apresentadas eram suficientes, eles não careciam de dar qualquer explicação, pois eles sabiam o que era bom para o Brasil. Bem, talvez nenhum dos ditadores... Leia mais