Que História é Essa

Hoje na História

20 de outubro 1916: Acaba a Guerra do Contestado

Paulo Conti

Aluno do 4º período de História

 

                        No início do século XX, no período da Primeira República Brasileira, os estados de Santa Catarina e Paraná estavam com recursos na justiça para que fossem demarcadas legalmente as fronteiras entre os dois territórios. Mas é a construção de uma estrada de ferro que agrava o clima de tensão.

    

Região do Contestado

Região do Contestado

                    A construção da estrada de ferro que ligava São Paulo ao Rio Grande do Sul ficou sob responsabilidade de uma multinacional, que trouxe muitos trabalhadores de outras regiões do país. Com o apoio das grandes oligarquias, os coronéis, o governo e as multinacionais norte-americanas, as terras habitadas pelos camponeses foram sendo tomadas e vendidas aos grupos estrangeiros. O descontentamento da população pobre era geral e, as condições de trabalho cada vez mais precárias. Com o final da construção da ferrovia, em 1910, a empresa Brazil Railway, demitiu todos os seus funcionários, cerca de 8000 homens. Com o desemprego vieram a fome e uma carga de exploração ainda mais pesada, o que fortalecia o poder dos coronéis.

                        Para tentar melhorar as suas condições de vida, os camponeses da região do Contestado começaram a se organizar sob a liderança do monge José Maria. O monge, com sua fama de curandeiro, reuniu junto de si mais de 20 mil pessoas, na chamada Monarquia Celeste. Esta não respondia as ordens das autoridades republicanas, tinha suas próprias regras. Vendo os seus poderes minados pelos camponeses, os oligarcas e o governo, uniram-se para desagregar a comunidade. A estratégia foi de guerra, usando não apenas os jagunços dos coronéis, mas também o exército nacional. Em 1912, José Maria foi morto em combate e, imediatamente seus seguidores deram-lhe status de santo, reacendendo a fé dos Contestados no prosseguimento da guerra, pois eles esperavam pela ressurreição do monge.

  Contudo, as forças de resistência não agüentariam por muito tempo. O exército, com 7 mil homens, arrasou o Contestado com canhões, metralhadoras e, até aviões de bombardeio, nunca antes usados no Brasil. A Guerra do Contestado, de caráter messiânico, chegou ao fim com a desagregação dos últimos núcleos revoltosos, em agosto de 1916. Mas a paz só seria selada com o acordo sobre o limite das fronteiras entre o Paraná e Santa Catarina, assinado em 20 de outubro de 1916.