Feliz Aniversário

Sete de Setembro.

Desde menino essa data tem um fascínio provocado pelo quadro romântico de Pedro Américo, que pôs o Regente em um fogoso cavalo branco, entre soldados para clamar que deveríamos ser independentes de Portugal ou morrer na tentativa. Lá no fundo da pintura está um carreiro tocando a vida enquanto se fazia a história. Era assim que se pensava nos tempos da monarquia: alguns fazem a história enquanto os demais assistem. Um pouco parecido com as paradas militares realizadas nos dias de hoje em todas as capitais dos estados que formam a federação. Em um palanque ficam as autoridades (uma vez, em Olinda, assisti a um ex-prisioneiro da ditadura militar, companheiro de cárcere, presidir essa cerimônia; hoje foi a presidente Dilma, ela também conhecedora dos corredores que levavam às salas de tortura), protegidas do sol enquanto assistem ao desfile. A população se espreme para ver seus parentes que estão nas armas, com o objetivo de garantir a nossa segurança. Os desfiles que se realizam na festa de aniversário do Brasil são importantes para a formação de sentimentos positivos em relação ao nosso Estado, à nação. A presença da população nesses desfiles demonstra que ela consegue distinguir os governantes corruptos da pátria que ela ama.

Mas neste ano parte da população fez outro desfile. Na verdade já vem fazendo isto a 17 anos: o Grito dos Excluídos. Nesse desfile não há palanque nem pessoas separadas por cordões de segurança, pois todos os desfilam. É uma corrente de pessoas que dizem não aceitar que em sua pátria continue sendo cultivadas as injustiças sociais, a corrupção dos costumes, a negação da vida, a corrupção política, a venda de benesses aos amigos dos governantes em detrimento do povo brasileiro. Houve um tempo, e já passaram dois mandatos presidenciais e alguns meses, que a Central Única dos Trabalhadores tinha participação ativa nesse GRITO DOS EXCLUIDOS; também eram vistos militantes do Movimento dos Sem Terra e gente da União Nacional dos estudantes, atualmente esses grupos parecem estar muito comprometidos com alguns malfeitos e, por isso o “silêncio dos incluídos” serve melhor para si. O ex cara-pintada Lindenberg Farias está silenciosamente aliado a Collor de Mello.

Neste ano, ao GRITO DOS EXCLUIDO também está ocorrendo o grito VOCÊS NÃO PODEM, dirigido a todos os corruptos que pretendem fazer dos corredores dos ministérios, das salas dos palácios, a sua morada; esses lugares foram construídos para planejar o bem estar do povo brasileiro e não a alegria dos assessores, lobistas que na última década se mudou das ruas para os esgotos dos prédios públicos da capital.
Os que trabalham e estão excluídos dos serviços de saúde, os que estão excluídos de escolas decentes, os que estão excluídos dos sérios serviços do poder judiciário saíram às ruas para desfilar sua indignação e gritar VOCÊS NÃO PODEM fazer do Brasil o paraíso dos ratos.

Feliz Aniversário ao Brasil

Deixe um comentário