01 jun 2009 @ 7:59 AM 

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO
CENTRO DE ARTES E COMUNICAÇÃO
DISCIPLINA: HISTORIA DA CULTURA
PROFESSOR: SEVERINO VICENTE DA SILVA
CURSO: TURISMO / 1º PERÍODO/ TARDE

BAIRRO DA BOA VISTA

Escrito por

RAQUEL FERNANDES
RENNAN CARVALHO
ROBERTA WANESSA
TAYUA WEBSTER

RECIFE, MAIO DE 2009.

Trabalho apresentado à disciplina
História da Cultura, do curso de Turismo,
da Universidade Federal de Pernambuco,
ministrada pelo professor Severino Vicente da Silva.

“A Rua Nova é relativamente velha. A Rua Velha é relativamente nova./ fiquei triste na Rua da Alegria (…) Assisti a uma briga na Rua da União que começou num bar agitado da Rua do Sossego (…) Na Rua do Hospício não encontrei nenhum maluco/ Mas na Rua 7 de setembro tem gente dependente/ E na Rua do Príncipe mora um excêntrico plebeu/ fiquei cego de paixão na Conde da Boa Vista (…) Mas o pôr-do-sol na Rua da Aurora é lindo.”

Ruas paradoxais, de Ednaldo Pessoa.

Apresentação
2. Contexto Histórico
2.1 História do bairro
2.2 Origem do Nome
2.3 Dados Geográficos
2.4 Ruas e Avenidas
2.5 Ponte 6 de Março
2.6 Ponte da Boa Vista
2.7 Ponte Duarte Coelho
2.8 Ponte Princesa Isabel
2.9 Praça Maciel Pinheiro
2.10 Praça Chora Menino
2.11 Praça Adolfo Cirne
2.12 Faculdade de Direito
2.13 Universidade Católica de Pernambuco
2.14 Faculdade Frassineti do Recife – FAFIRE
2.15 Câmara Municipal
2.16 Assembléia legislativa
2.17 Mercado da Boa vista
2.18 Igreja Matriz da Boa Vista
2.19 Colégio Salesiano
2.20 Colégio São José
2.21 Colégio Marista
2.22 Teatro do Parque
2.23 Teatro Valdemar de Oliveira
2.24 Cinema São Luis
2.25 Parque 13 de Maio
2.26 Biblioteca Pública Estadual
2.27 Instituto Arqueológico, Histórico e geográfico Pernambucano
2.28 Museu de Artes Moderna Aloísio Magalhães
2.29 Hospital geral do Recife
3. Conclusão
4. Referências
5. Anexos

APRESENTAÇÃO

O presente trabalho tem como tema central a história do bairro da Boa vista e seus monumentos históricos, juntamente com lugares que caracterizam o bairro.
Tem enorme relevância não só para estudiosos, mas por todas as pessoas que freqüentam o bairro quase que diariamente. Aborda-se nele a história de pontes, ruas e avenidas, praças, lugares com enfoque a educação, como a faculdade de direito, faculdade FAFIRE, Universidade Católica de Pernambuco e colégios considerados antigos, como Salesiano, São José e Marista, além do grande acervo de livros da Biblioteca pública Estadual; sabendo da preocupação da população com o lazer Boa Vista dota-se de teatros, como Teatro do Parque e Teatro Valdemar de Oliveira, Cinema a ser reaberto no próximo semestre, o antigo São Luiz, comporta-se também um Shopping Center e um Parque, o chamado 13 de Maio; dando ênfase a religiosidade cristã/católica, é na Boa Vista que está localizada a Igreja Matriz da Boa Vista; merece-se destaque a ramificação da política, por nesse bairro está localizado a Câmara Municipal e Assembléia Legislativa; além de como todo bairro populoso em Boa Vista é encontrado o Hospital Geral do Recife; nele também irá encontrar a história de um importante mercado para o Recife, o Mercado da Boa Vista; e para preservar toda essa história temos o Instituto Arqueológico Histórico e Geográfico de Pernambuco e o Museu de Arte Moderna Aloísio Magalhães.
Sabendo de sua riqueza histórica, iremos sempre, em todos os pontos abordados a seguir, remeter às origens, fundamentando a importância de tal memorização.

CONTEXTO HISTÓRICO

História do Bairro

Durante o período da ocupação em Pernambuco (1630-1654), os holandeses construíram também algumas pontes. Uma delas favoreceu o surgimento de uma povoação e das tradicionais ruas Velha, da Matriz e da Glória. Vale registrar que, nesta última, recentemente, foi descoberto o primeiro Cemitério Judeu das Américas, criado durante o período de ocupação batava, e o funcionamento da Sinagoga Kahal Zur Israel, também a primeira das Américas.

No século XIX, quando a Ponte da Boa Vista foi construída, aterraram a área em suas proximidades, fazendo surgir a Rua do Aterro, hoje chamada de Imperatriz Tereza Cristina, bem como as ruas da Aurora e Formosa, atualmente, chamada de avenida Conde da Boa Vista. Posteriormente, outros mangues foram aterrados, dando margem ao surgimento do Ginásio Pernambucano, da Assembléia Legislativa e da Fundição d´Aurora.

No bairro da Boa Vista, encontra-se o tradicional Parque 13 Maio. Até a segunda metade do século XIX, época em que a camboa do Riachuelo foi aterrada, as terras que atualmente, fazem parte do parque pertenciam à Ilha do Rato, um acidente geográfico flúvio-marinho de contornos incertos. No lado sul da ilha, manguezais e alagados jaziam inaproveitados. Esse terreno era chamado de Passeio Público 13 de Maio. Naquela época, foi elaborado o primeiro projeto para a construção de um parque propriamente dito e, nele, estavam incluídos o espaço do jardim da Faculdade de Direito do Recife, e as terras que vão desta Faculdade até a Ponte Princesa Isabel. Inaugurado em 1939, e medindo 6,9 hectares, o Parque 13 de Maio foi o primeiro parque urbano histórico do Recife e teve Burle Marx como paisagista. Na década de 1950, uma quarta parte da área do parque foi utilizada pelo Governo para a construção da Biblioteca Pública de Pernambuco, além de quatro escolas públicas.

Origem do nome

A denominação “Boa vista” teve sua origem no Palácio da Boa vista (ou Schoozit, em holandês), que foi construído no Recife por Maurício de Nassau, em 1643, para o seu repouso e lazer. O palácio ficava ás margens do rio Capibaribe, na ilha de Antônio Vaz, atual bairro de Santo Antônio e, como apreciava muito a bela paisagem, Nassau assim a designou.

Dados Geográficos

Localização: situa-se na RPA: 1, Microrregião: 1.2

Área Territorial (hectare): 181,4

População Residente (2000): 14.033 hab

Taxa Geométrica de Crescimento Anual (1991/2000): -2,15

População Residente por Sexo: Masculina: 5.864
Feminina: 8.169

População por Faixa Etária: 0 – 4 anos: 564
5 – 14 anos: 1.477
15 – 39 anos: 5.968
40 – 59 anos: 3.550
60 anos e mais: 2.474

Taxa de Alfabetização da População de 15 anos e mais: 97,35

Número Total de Domicílios 5.322
Domicílios Particulares: 4.920
Domicílios Particulares Permanentes: 4.894
Domicílios Particulares Improvisados: 26
Unidades em Domicílio Coletivo: 402

Densidade: Demográfica (Habitante/Hectare): 77,36
Domiciliar (Habitante/Domicílio): 2,64

Proporção de Mulheres Responsáveis Pelo Domicílio: 51,31

Quantitativo de Imóveis por Uso (IPTU/Sec. de Finanças):
Imóveis Residenciais: 7.695
Imóveis não Residenciais: 5.206
Terrenos: 2.277

Rendimento Nominal Médio Mensal dos Responsáveis por Domicílios com Rendimento Mensal: Total: R$ 1.737,96

Rendimento Nominal Mediano Mensal dos Responsáveis por Domicílios com Rendimento Mensal: Total: R$ 1.097,50
Mapa anexado, pág. 47

Ruas e Avenidas
A primeira rua que sai da Praça Maciel Pinheiro, o coração do Recife, é a Rua Imperatriz Tereza Cristina, onde se concentram lojas comerciais e a Igreja-Matriz da Boa Vista. Outra é a Rua do Aragão, local que abriga o comércio de móveis. A Rua Manoel Borba é a terceira que sai da Praça. Nela estão muitas óticas e o Hotel Central, o primeiro prédio alto da cidade. No fim daquela rua, chega-se à Praça Chora Menino.

A quarta rua que sai da Praça Maciel Pinheiro é a do Hospício. Em seu número 81, vê-se o Teatro do Parque e, no imóvel de número 130, o Instituto Arqueológico, Histórico e Geográfico Pernambucano, o primeiro instituto histórico regional do Brasil, fundado em 1862. A alguns metros do Teatro do Parque, na Rua Martins Júnior número 29, encontra-se a Sinagoga Israelita do Recife, inaugurada em 1926.

A quinta rua que sai da Praça Maciel Pinheiro é a da Conceição, onde se encontram as casas de leilões e a Igreja Rosário da Boa Vista, templo no qual estão os restos mortais de Gervásio Pires e Pereira da Costa. Finalmente, as ruas da Matriz e da Alegria representam a sexta e sétima vias que partem daquele logradouro público. Em uma transversal dessas vias, situa-se a Rosário da Boa Vista, uma rua estreita que desemboca no Pátio de Santa Cruz.

Nesse Pátio, está situada a Igreja de Santa Cruz, concluída entre os anos de 1725 e 1732. No Pátio da Santa Cruz também encontram-se muitas ruas importantes. Uma delas é a Barão de São Borja, em cuja esquina se localiza o Centro de Saúde Gouveia de Barros, e onde existia o Cinema Politeama, o Colégio Pedro Augusto e a Escola Oliveira Lima. Do Pátio da Santa Cruz, passa também a Gervásio Pires, uma longa rua onde está o Mercado da Boa Vista. Seguindo-se essa rua, é possível se chegar, por um lado, no bairro dos Coelhos e, por outro, na Avenida Mário Melo, via próxima ao Cemitério de Santo Amaro, já no bairro de Santo Amaro.

Na Rua Dom Bosco, que começa na Praça Chora Menino e no final da rua Manoel Borba, foi construído o Cinema Boa Vista, hoje transformado em loja comercial. Pouco mais adiante, encontra-se a Rua das Fronteiras, onde está situada a Igreja das Fronteiras, que serviu de residência a Dom Hélder Câmara (1909-1999), arcebispo do Recife e de Olinda.

No bairro da Boa Vista, estão ainda, entre outras, as ruas do Riachuelo, do Progresso, Giriquiti, Barão de São Borja e José de Alencar.

Ponte 6 de Março (Antiga Ponte Velha) – Construída em 1921 no mesmo lugar onde existia uma outra de origem holandesa, a Ponte 6 de Março está localizada em frente à popular Rua Velha. Talvez, por esse motivo, ela ficou conhecida entre os recifenses como a Antiga Ponte Velha. O apelido reina até hoje, mesmo depois de instalada uma placa de ferro com a inscrição Ponte Nova. Do local, os visitantes podem ter uma visão primorosa da Casa da Cultura, reduto do artesanato nordestino – um ótimo convite para as compras.Fica entre a Rua Cunha, no bairro de Santo Antônio, e a Rua Velha, na Boa Vista.

Ponte da Boa Vista – Apesar de construída em 1737, a atual estrutura da Ponte da Boa Vista foi erguida na Inglaterra apenas em 1876. Feita em ferro batido, a ponte apresenta pequenos ladrilhos que se encaixam em forma de losangos. Com o passar do tempo, a ponte passou por várias reformas, mas conseguiu conservar nas suas extremidades as pilastras de metal e o Brasão Imperial, assim como as inscrições em relevo sobre a história de Pernambuco. O local possui um tráfego intenso de pedestres, ambulantes e carros. Fica entre a Rua Nova, no bairro de Santo Antônio, e a Imperatriz, no bairro da Boa Vista.

Ponte Duarte Coelho – Construída em 1941, no mesmo lugar onde existia uma outra metálica chamada de Ponte da Maxabomba, a Ponte Duarte Coelho só foi inaugurada dois anos mais tarde, com cerca de 140 metros de extensão. Pilastras grossas de concreto e pequenos pilares de granito rosa dão forma a sua estrutura. O espaço reservado aos pedestres é todo revestido em mosaico vermelho. Fica Entre as Avenidas Guararapes, no bairro de Santo Antônio, e a Conde da Boa Vista, na Boa Vista.

Ponte Princesa Isabel – O Bairro do Recife e a cidade de Olinda podem ser contemplados desta ponte, a primeira feita em ferro no Recife. Sua estrutura foi projetada pelo engenheiro francês Louis Vauthier, o mesmo que fez o Teatro Santa Isabel e a Academia Pernambucana de Letras. A princípio, a ponte recebeu o nome de D.Pedro II, mas não demorou a se render ao nome da rua e do teatro que a cercam. Fica entre a Praça da República, no bairro de Santo Antônio, e a Santa Isabel, na Boa Vista.

Praça Maciel Pinheiro

Inaugurada a 7 de setembro de 1876 em comemoração da vitória brasileira na Guerra do Paraguai (1864/187), só em 1889, com a Proclamação da República, passou a ser chamada de Praça Maciel Pinheiro, em homenagem ao advogado paraibano, promotor e juiz, Luís Ferreira Maciel Pinheiro, voluntário da Guerra do Paraguai. Recebeu vários nomes antes do atual, como Largo do Aterro, com a construção da Igreja, que passou a ser chamado de Praça de Boa Vista, e em 1870, que foi denominada de Conde D’Eu (Luís Filipe Gastão de Órleans, esposo da Princesa Isabel, francês naturalizado brasileiro e que substituiu Caxias no comando de tropas brasileiras na Guerra do Paraguai).

Em 1846, para abastecimento de água no bairro, foi instalado um chafariz da Companhia do Beberibe, substituído em 1875 por uma fonte monumental de cantaria de Lisboa, que dá base até a coroa mede 7,85 metros, trabalho do artista português Antônio Moreira Ratto. Na fonte estão esculpidos quatro leões, sustentando uma grande bacia de 3,18 metros de diâmetro, onde há quatro figuras femininas com 1,60 metros cada uma, que recebem água de uma segunda bacia de 2,11 metros de diâmetro. Segue-se uma coluna e mais uma terceira bacia onde estão três máscaras de onde jorra água. Coroando a fonte está a figura de uma índia, adornada com penas na cintura, cocar, arco e flecha e colar de búzios.

Situada no coração de Bairro da Boa Vista, a Praça Maciel Pinheiro era o reduto preferencial de convivência da comunidade judaica do recife, pois decorrente do anti-semitismo e das graves perseguições racistas, antes da II Guerra Mundial, muitas famílias judias vieram morar no bairro da Boa Vista. A praça virou então o principal fórum de encontros e debates por parte dos imigrantes, o que mais se ouvia era o lídiche, língua falada pelos askenazim, os judeus da Europa Oriental.

Em frente à praça, no nº 387, viveu a sua infância a escritora Clarice Lispector, por isso a estátua em sua homenagem, imagem da escritora sentada com uma máquina de datilografia no colo do lado da fonte.

Praça Chora Menino

Fica próxima ao Colégio Salesiano, à Praça do Derby e às ruas do Progresso e das Ninfas, é hoje uma simples confluência de vias. Mas sua fama e nome datam do século XIX. No ano de 1831, Recife enfrentou a revolta Setembrizada, rebelião, sem qualquer apoio político, de soldados rasos, encerrada com o assassinato de cerca de 300 pessoas nas imediações daquela praça.
O nome vem de relatos que começaram a circular tempos depois da Setembrizada, os quais dizia-se que quem passasse altas horas da noite perto da praça ouvia sempre choro de menino, devido a lenda abordar que muitas crianças foram enterradas no local onde hoje fica a praça.
Ao lado da praça está uma livraria, onde foi o Cinema Boa Vista: em frente dela, um conjunto de apartamentos, construído onde foi a casa do usineiro Francisco Pessoa de Queiroz, incendiada e metralhada nas manifestações da Revolução de 30.

Praça Adolfo Cirne

Ao final da rua do hospício encontra-se a Praça Adolfo Cirne, na frente da Faculdade de Direito. Na praça que homenageia o ilustre paraibano e Diretor da Faculdade de Direito, Adolfo Cirne, estão dispostos bustos e estátuas que fizeram parte da glória da faculdade, ou das histórias que ajudaram a escrever: do poeta Carlos Pena Filho; de Tobias Barreto, fundador da escola de Recife; de Paula Batista, grande jurista e referência obrigatória em direito processual; de Demócrito de Souza Filho, morto pela intolerância na redemocratização de 1945; Visconde de São João Leopoldo, paulista que como ministro referendou nosso curso jurídico; de Martins Júnior, escritor e professor de Direito; e de Aprígio Guimarães, professor e ex-diretor da Faculdade.

Faculdade de Direito

A Faculdade de Direito do Recife pertence à Universidade Federal de Pernambuco e teve seu prédio tombado pelo Patrimônio Histórico e Artístico Nacional.

O curso jurídico foi criado, simultaneamente, na cidade de São Paulo e em Olinda, em 11 de agosto de 1827, pela carta de Lei do imperador Pedro I, foram os dois primeiros cursos superiores do Brasil. Instalado no dia 15 de maio de 1828, no mosteiro de São Bento, passando a funcionar em dependências cedidas pelos monges beneditinos.

Em 1852, o Curso foi transferido do mosteiro de São Bento para o palácio dos antigos governadores, prédio reformado situado no alto da Ladeira do Varadouro, em Olinda, que ficou conhecido pelo nome de Academia. Em 1854, a Academia transferiu-se para a Rua do Hospício, no Recife, onde hoje se encontra o Hospital Geral do Exército. Depois, em 1862, no colégio dos Jesuítas, ao lado da Igreja do Espírito Santo, na Praça 17. Em 1912, mudou-se para o prédio onde funciona até hoje, na Praça Dr. Adolfo Cirne, no Recife, depois de concluídas as obras no Governo da República.

O prédio construído por José de Almeida Pernambuco, ocupa uma área de 3.600 metros quadrados, no centro de uma área ajardinada e seu projeto arquitetônico, eclético, com predominância do estilo neo-clássico, com portões de entrada em arcos romanos, um zimbório e três estátuas de mulheres, é de autoria do arquiteto francês Gustave Varin. No pátio interno um busto de Castro Alves e no andar superior uma galeria de quadros com nossos governantes.

Desde os seus primeiros anos de existência atuava não apenas como um centro de formação de bacharéis, mas, principalmente, como escola de Filosofia, Ciências e Letras, tornando-se célebre pelas discussões e polêmicas que empolgavam a sociedade da época. Foi nela, onde nasceu e floresceu o movimento intelectual poético, crítico, filosófico, sociológico, folclórico e jurídico conhecido como a Escola do Recife, nos anos de 1860 e 1880 e cujo líder era o sergipano Tobias Barreto de Meneses, virando assim patrono da Faculdade de Direito do Recife.

Possui uma grande biblioteca com mais de 100.000 volumes, muitos deles raros e preciosos, nas áreas de direito, filosofia, história e literatura.

Universidade Católica de Pernambuco

Situada na Rua do Príncipe, foi criada em 27 de setembro de 1951 e reconhecida pelo Governo Federal através do Decreto 30.417 de 18 de janeiro de 1952. A idéia surgiu quando Dom Sebastião Leme assumiu a Arquidiocese. No entanto, já em 1943, o Padre Antônio dos Santos Abranches fundava a Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras Padre Manuel da Nóbrega, atualmente Faculdade de Filosofia da UNICAP.

Em seu desenvolvimento, a Universidade conheceu incorporação, agregação ou criação de faculdades, institutos ou escola superior, até aplicar, em 1974, a reforma universitária, preconizada em lei, adotando o modelo ternário homogêneo de reitoria, centros e departamentos.

Hoje, a Unicap faz parte de um grupo de mais de 200 universidades espalhadas pelo mundo, uma rede de instituições católicas de ensino superior com instituições predominantemente na Europa e na América Latina.

A Católica é composta por dez prédios no seu campus da Boa Vista, teve dez de seus cursos listados entre os melhores do país, segundo o Guia do Estudante, da Editora Abril em 2007 e em 2008 a universidade foi apontada pelo Ministério da Educação como a melhor universidade particular de Pernambuco.

Faculdade Frassinetti do Recife -FAFIRE

A Faculdade Frassinetti do Recife – FAFIRE – antes denominada Faculdade de Filosofia do Recife, é uma das primeiras escolas de nível superior de Pernambuco e do Nordeste brasileiro em funcionamento nos dias atuais.

A mudança do nome da Instituição surgiu diante da possibilidade de ampliação das
áreas de conhecimento, através da implantação de novos cursos, cujas propostas
passam a abranger outros campos de estudos.

A FAFIRE foi fundada em 1940, sendo reconhecida através do Decreto-lei nº 13.583, de 5 de outubro de 1943, oferecendo os cursos de Filosofia, Matemática, Geografia e História, Ciências Sociais, Letras Clássicas, Letras Neolatinas, Letras Anglogermânicas e Pedagogia. Em 1964, foi agregada à Universidade Federal de Pernambuco. Hoje em dia, a FAFIRE é uma faculdade particular.

Câmara Municipal do Recife:
É o órgão legislativo do município do Recife.Composta por 37 vereadores é a maior casa legislativa municipal de Pernambuco.
Instalada dentro do quarteirão do Parque Treze de Maio, funciona desde 1962, abrigou antes, a Escola Normal do Recife, criada em 1864, a qual foi tranferiada, sob o nome de Instituto de Educação de Pernambuco (IPE).
Em 31 de agosto de 1951 denonominou-se Casa de José Mariano, referência ao ilustre líder abolicionista. Fechada na Revolução de 30, somente foi reaberta em 1936. novamente fechada em 37, com o novo golpe de estado promovido por Getúlio Vargas, reaberta em 47, com a redemocratização do país e a promulgação da Constituição de 1946, mais uma vez a autonomia municipal foi reconquistada, quando funcionou na Rua da Guia, no Bairro do Recife. A Câmara funcionou no prédio da antiga Cadeia ( hoje Arquivo Público) na Rua do Imperador, depois na praça 17 e na Praça da República.
Um painel de autoria de Adão Pinheiro, no saguão de entrada, ressaltando a figura do abolicionista José Mariano e sua mulher Olegarinha, mostra um cenário onde escravos cantam alegremente.

Assembléia Legislativa:
É o órgão de representação do Poder Legislativo através dos deputados estaduais do estado de Pernambuco. Está localizada na Rua da Aurora
Atualmente conta com 49 deputados estaduais eleitos pelo voto direto, sendo organizada em Plenário (órgão supremo), Mesa Diretora e Comissões.
Denominada de Palácio Joaquim Nabuco, a Assembléia Legislativa foi criada em 1834, substituindo o Conselho Geral e funcionou inicialmente no Forte dos Matos, Bairro do Recife, a partir de 1835.
Sua atual sede foi projetada pelo arquiteto pernambucano José Tibúrcio Pereira Magalhães e teve sua construção iniciada no começo da década de 1870. A inauguração ocorreu em 1º de março de 1875, com o prédio ainda inacabado. A obra só foi entregue definitivamente no dia 20 de janeiro de 1876.
O edifício possui um busto do patrono Joaquim Nabuco, parlamentar, orador e abolucionista, e quatro estátuas de mulheres em tamanho natural, que simbolizam a sabedoria, a jurisprudência, a justiça e a eloquência, estão localizadas na sala redonda onde se reunem os deputados.
Ao lado da Assembéia, o prédio do Ginásio Pernambucano, fundado como Liceu Provincial, com sua sede no Convento do Carmo. Educandário de muito prestígio no passado, por ele passaram grandes personalidaes de nossa história política e cultural.

Mercado da Boa Vista
Localizado na Rua de Santa Cruz, é um dos mais antigos mercados públicos em funcionamento no Recife, não se sabe ao certo a data de sua inauguração. Suas instalações, ou parte delas, serviu como estribaria e depois como cemitério da Igreja de Santa Cruz, tendo funcionado também, pelo menos para alguns pesquisadores, como Mercado de Escravos. Ficou desativado por vários anos, ocasião em que chegou a ser usado como depósito de ferro velho.
O mercado foi totalmente reformado e reinaugurado em 02 de dezembro de 1946. Antônio Pereira era o prefeito da cidade e Otávio Correia o governador de Pernambuco. Passaria por outras reformas em 1991 e 1994. possui 63 boxes, que comercializa cereais, verduras, frutas e legumes, carnes, aves e frios, além de ervas e armarinhos. Há nove bares, que servem comida regional no café da manhã, almoço e jantar. A clientela é formada, principalemtne, por sindicalistas e políticos, que se deliciam com o famoso patinho cozido no feijão preto.
O Mercado Boa Vista atravessou os tempos e as mudanças sociais e continua como um ponto de encontro importante, não só dos moradores daquela como outras localidades, tanto é que acolhe um grupo de pessoas, há vários anos e que ainda hoje se encontra, semanalmente, no seu pátio interno, costume iniciado na década de setenta, como nos informa um dos integrantes da turma:
“em pleno ano de chumbo os livreiros e ditribuidores de livros, entre outras pessoas com idéias e objetivos comuns, passaram a se encontrar todos os sábados no Bar de Dona Maria (Madalena Alves), no Mercado da Boa Vista, onde não faltavam bebidas e comidas típicas, afim de fazrem uma avaliação da semana e baterem papo, tomando uns aperitivos onde se destaca uma bebida criadapelo distribuidor de livros Ludovíco Sontoro, com os seguintes ingredientes: pitú, anis estrelados e erva doce, é a bebida oficial do “Escitório” e apelidada de M.L (Mistura Ludovíco). Com o decorrer dos encontros, o grupo fo se consolidando, se organizando melhor, até que adotou um ponto rotineiro para as suas reuniões, em frente ao Bar de Dona Maria, hoje pertecente a “Amaro. Plantaram jambeiro que atualemente dá sombras às reuniões do grupo.”
Graças ao incentivo do Prefeito mais popular do Brasil, Sr. João Paulo Lima e Silva, o Mercado da Boa Vista foi incluso na Programação Oficial do Carnaval através da Fundação de Cultura com duas Manhãs de Sol, no domingo e na terça-feira de carnaval do ano de 2004. No final da tarde da terça-feira de carnaval foliões, permissionários, clientes em geral comentavam que o mercado não deveria ter apenas dois dias de folia já que o espaço era atrativo e o ambiente familiar sendo ótimas referêcias.
Logo o administrador do Mercado Sr. Ivan Severino foi procurado por um grupo de amigos, clientes frenquetadores, permissionários e repesentantes da Fundação de Cultura para juntos encontrarem uma maneira da brincadeira de carnaval não ficar apenas no domingo e na terça-feira. Sentados debaixo da Jambeiro começaram então a sugerir idéias, foi quando o administrador Sr Ivan com a permissionária Tereza Cristina do Buchadas Bar, box nº10 sugeriram realizar na quarta-feira de cinzas o Bacalhau do Mercado da Boa vista, em meio a propostas, a inevitável pergunta: se a Fundação de Cultura conseguiria trazer ao mercado uma orquestra de frevo para o dia sequinte, diante tantas festividades já programadas? A resposta veio do representante da Fundação de Cultura Sr manoel Constantino que com seus influentes conhecimentos e sua simpatia de folião dentro de meia hora conseguiu a resposta via celular de que a orquestra de frevo para o Mercado estava garantida para o tão esperado evento. Foi dai que o administrador realizou uma cota com alguns permissionários e comprou: bacalhau,tomate,pimentão e coentro, colocando-os na vara e ao som de muito frevo e gente bonita foi realizado assim o primeiro bacalhau do Mercado da Boa Vista. Daí em diante o mercado passou a ser divulgado por suas festividas culturais com enfase no mercado como Antologia das Águas dos organizadores Lourdes Nicácio e Silvia,Ricardo Japiassu Simões,Raphaela nicácio e também por outros meios de divulgação.

Igreja Matriz da Boa Vista

Em 1783 começou a ser construída, no início era capela e em 1805 foi elevada a matriz (principal igreja do bairro). Ficou pronta em 1884, demorando quase 105 anos para ficar totalmente pronta, pois suas torres foram construídas depois.
Foi fundada por uma irmandade, que é uma sociedade religiosa sem fins lucrativos.
As confrarias de Santa Cruz e a do Santíssimo Sacramento faziam parte da igreja de Santa Cruz, porém pelo grande desentendimento entre elas, a confraria do Santíssimo Sacramento comprou o terreno na Boa Vista e fundaram a capela.
A igreja possuía um cemitério que servia para ajudar no financeiro para a construção da igreja.
Ao lardo esquerdo da capela foi sepultado o bispo D. Thomaz de Noronha e Brito, falecido em 9 de junho de 1847, e Felippe Nery Ferreiro,um dos patriotas revolucionários de 1817.
Lá também funcionou um posto médico.
Em 1959 chegaram aqui os padres holandeses e trouxeram o movimento da adoração perpétua.
Com formosa fachada de cantaria de Lisboa, encontramos nas torres da igreja o galo, que representava o símbolo de poder dos portugueses.
O patrimônio declarou tombamento da igreja em 1938, e só teve uma reforma em 1971.
Hoje o presidente da igreja é uma mulher, que foi a primeira diretora mulher da igreja. Sua posse acontecerá no dia 31de maio de 2009.
Todo ano acontece a festa do corpo de Deus,que não tem data fixa pois depende da páscoa,que reúne centenas de fiéis.

Colégio Salesiano

Construído num sobrado na antiga Rua do Mondego,hoje Dom Bosco, o colégio Salesiano foi estabelecido no Recife em 1894,com o nome Liceu de artes e ofícios do santíssimo coração de Jesus.

Passaram por esta instituição de ensino passaram importantes figuras da história pernambucana, como o sociólogo Paulo Viana, criador da Noite dos Tambores Silenciosos e Barbosa Lima Sobrinho. Jornalista e ex-governador pernambucano

Colégio São José

O primeiro colégio de moças no nordeste.O colégio São José pertence à congregação das irmãs Dorotéia, fundada em Gênova,na Itália, por Paula Franssinetti em 1834.Em Recife foi fundado em 1866,quando aqui chegaram as primeiras Dorotéias.

Colégio Marista

Fundado em 1911 pelo irmão Paulo Bechmans com o nome de colégio da Imaculada Conceição,foi transferido para a Rua do Hospício em 1921 e para Avenida Conde da Boa Vista em 1924,com o nome de Colégio Marista do Recife. Atualmente desativado.

Teatro do Parque

Construído pelo comerciante português Bento de Aguiar, que investiu 200 contos de réis e entregou a decoração da casa aos pintores Henrique Elliot e Mário Nunes, o prédio do Teatro do Parque é todo em art-nouveau e foi cuidadosamente projetado para oferecer mais conforto ao público de uma cidade tropical. Em 24 de agosto de 1915, foi inaugurado com a apresentação da Companhia Portuguesa de Operetas e Revistas. Grandes companhias brasileiras passaram pelo palco do teatro, como as de Vicente Celestino e Alda Garrido, e as primeiras peças da parceria Samuel Campelo – Valdemar de Oliveira. Na época do cinema mudo, os filmes eram acompanhados por músicos que, depois, fizeram nome, como o maestro e compositor Nelson Ferreira.

O Parque fez parte, também, da consagração do cinema falado. De 1929 a 1959, o espaço foi arrendado ao grupo Luiz Severiano Ribeiro e lançava filmes da Disney e chanchadas brasileiras. Mas, graças à pressão da classe teatral, o prefeito Pelópidas da Silveira o desapropriou e promoveu uma reforma completa. A reinauguração aconteceu em 13 de setembro de 1959, com a peça Onde Canta o Sabiá, com direção de Hermilo Borba Filho. Em 1973, um convênio entre a gestão municipal e o Instituto Nacional de Cinema, o Parque foi transformado no primeiro cinema educativo permanente no Brasil.

Em 2002, já na gestão do prefeito João Paulo, o Parque teve o seu equipamento de cinema todo modernizado. Em 2006, a Fundação de Cultura Cidade do Recife (FCCR) comprou um novo equipamento de iluminação e o teatro também recebeu doação da Funarte. Ainda em 2006, foram trocadas as alcatifas das escadarias e em 2007, executado boa parte do Projeto do Sistema Contra Incêndio. Na Manutenção de 2008, foi trocado 40 % do madeiramento do palco, recuperada a Caixa D’água Superior e as Vitrines do Hall, entre outros melhoramentos. Segundo a gerente de Serviços do Teatro do Parque, Niziani Miotto, o local é um espaço de toda a sociedade recifence. Com seu charme e estilo, o Parque é um teatro almejado por todos devido a sua estrutura; totalmente climatizado, com novecentos lugares e uma ótima localização, tem uma programação eclética e cinema de qualidade a preço popular, afirma Niziani.

No verão, o Parque oferece em seu jardim o Projeto Intervalos, que proporciona uma interação do artista regional com o publico que transita em seus arredores. E apóia, também, os projetos Janeiro de Grandes Espetáculos, Todos Verão Teatro, Mostra Brasileira de Dança, Projeto Seis e Meia, entre outros.

O Teatro do Parque, hoje, abriga a Banda Sinfônica da Cidade do Recife e continua promovendo sessões de cinema a preços populares, iniciativa elogiada nacionalmente. Seu palco continua aberto às apresentações de artes cênicas e música, e o jardim e o hall abrigam exposições das mais diversas.

Teatro Valdemar de Oliveira

O Nosso Teatro, que seria construído pelo Teatro de Amadores de Pernambuco, teve obras iniciadas em dois locais diferentes, antes de sua localização final. Inicialmente, foi doado ao grupo o Teatro Almare, cujo terreno foi desapropriado pelo governo de Pernambuco para ali construir a Biblioteca Pública. Depois um prédio abandonado no bairro da Encruzilhada teria essa destinação, mas o intento não se realizou. Por fim, foi adquirida a casa 412 da Praça Oswaldo Cruz, onde foi erguido o teatro.

Com o nome de Nosso Teatro, foi inaugurado em 23 de maio de 1971 por Valdemar de Oliveira.

Com a morte do seu idealizador e criador, em 18 de abril de 1977, o grupo teatral, em sua homenagem, mudou seu nome para Teatro Valdemar de Oliveira no dia em que completava 6 anos, em 23 de maio de 1977.

Em 19 de outubro de 1980 um incêndio destruiu as instalações do teatro, que passou muito tempo para ser restaurado.

Ele foi totalmente reconstruído, sendo reinaugurado em 20 de dezembro de 1987.

O Teatro Valdemar de Oliveira, por sua vez, está localizado na Praça Osvaldo Cruz número 412, no bairro da Boa Vista, defronte da Sociedade Pernambucana de Medicina. Foi construído pela família Oliveira, possui quatrocentos (400) lugares e foi chamado, inicialmente, de Nosso Teatro. No salão do teatro nobre podem ser apreciadas duas telas de Murillo La Greca: um retrato do Conde da Boa Vista e um outro do engenheiro Louis Vauthier.

Em 23 de maio de 1971, o Teatro de Amadores passou a chamar o Nosso Teatro de Teatro Valdemar de Oliveira, como uma justa homenagem ao seu fundador. Além de médico e professor, Valdemar de Oliveira foi ainda advogado, higienista, musicólogo, escritor, diretor e crítico de arte.

Até hoje, o Teatro Valdemar de Oliveira mantém uma estrutura do tipo familiar. Nele, o ator não é tratado como um artifício em cena, mas como uma parte relevante do grupo. O trabalho do elenco, por sua vez, continua sendo filantrópico: todo o capital financeiro, depois de tiradas as despesas de custeio da montagem e o pagamento do pessoal fixo – secretárias, contra-regras, arquivo – é revertida para várias entidades sem fins lucrativos.

Cinema São Luíz

Em 06/09/1952 foi inaugurado o cinema São Luiz, na Rua da Aurora, completando o projeto de uma das mais complexas obras de arquitetura e engenharia da Cidade, que é o edifício Duarte Coelho, construído em local onde foi, até o final da guerra, uma grande igreja anglicana.

Ir ao cinema São Luiz, na década de 50, até meados dos anos 60, era quase que uma realização cerimonial, e requintada até, pois os homens eram ‘obrigados’ a trajar paletó e gravata.

O São Luiz fechou as portas em outubro de 2006. A boa notícia é que o cinema será reaberto no início de 2009 e será o principal espaço do projeto Estação Audiovisual de Pernambuco, que visa à criação de um complexo de divulgação da produção audiovisual, por meio da recuperação estrutural e modernização de equipamentos do Cine São Luiz, Cine-Teatro Arraial e Museu da Imagem e do Som de Pernambuco (Mispe), todos localizados na Rua da Aurora.

Após a conclusão dos trabalhos, o lugar passará a comportar tanto a exibição audiovisual quanto a realização de atividades de capacitação e treinamento. Pretende-se, por exemplo, oferecer aos alunos das escolas públicas, durante o dia, oportunidades de acesso às projeções e, à noite, será a vez dos cinéfilos aproveitarem uma programação de qualidade a preços populares.

Além disso, o Governo acertou parceria com o Instituto Lula Cardoso Ayres para instalar a Cinemateca Pernambucana, a qual com contará, inicialmente, com os 3 mil títulos do acervo da entidade.

Parque Treze de Maio

Durante o governo do General Barbosa Lima (1892-1896), teve início a construção do Jardim 13 de Maio. Porém, somente por ocasião do III Congresso Eucarístico Nacional, que foi realizado no Recife, é que a Prefeitura decidiu melhorar o aspecto daquela campina abandonada, construindo no local, então, o Parque 13 de Maio. Vale ressaltar que isso ocorreu em decorrência da pressão de jornalistas, escritores e negociantes, sob o argumento de que os espaços verdes públicos contribuíam, não somente para a beleza das cidades, mas para a saúde e elevação espiritual dos indivíduos.
Cabe salientar que, apesar de não representar o mais antigo, o Parque 13 de Maio é o primeiro parque urbano histórico do Recife. Foi inaugurado como tal no dia 30 de agosto de 1939, medindo 6,9 hectares, situando-se em uma área bastante central da cidade. Nessa época, na produção artística do meio ambiente, já atuava Burle Marx, um dos mais célebres paisagistas do País, e que também elaborou o projeto dos primeiros jardins públicos do parque.
Ali, observa-se uma variada vegetação contendo árvores, ervas tropicais e arbustos. No parque foram plantados dendezeiros, palmeiras imperiais, palmeiras-leque, paus-brasil, flamboyants, acácias, fícus-benjamim, paus-d’arco, além de árvores frutíferas tais como jaqueiras, mangueiras, sapotizeiros, jambeiros, abacateiros e tantas outras.
Em seus postes de iluminação, vêem-se quimeras mitológicas: figuras com cabeça e busto de mulher, asas de águia e corpo de leão. Existem, ainda, equipamentos recreativos para crianças e adolescentes, tais como balanços e escorregos.
Na década de 1940, lá foi construído um restaurante tradicional – o Torre de Londres – que tinha o formato de uma torre e cuja cozinha era considerada como de boa qualidade. Esse restaurante foi posteriormente desativado. E, na década de 1950, uma quarta parte da área do parque foi utilizada para a edificação da Biblioteca Pública de Pernambuco, como ainda de quatro escolas públicas.
Na entrada do Parque, pode-se ler uma placa com os seguintes dizeres:
Este parque, cujo primeiro projeto data de 1865, foi construído em 1939, no governo de Agamenon Magalhães, pelo prefeito Novais Filho, para as solenidades do III Congresso Eucarístico Nacional.
Criados em bronze pelo artista Bibiano Silva, encontram-se também os bustos de Dantas Barreto (com um pedestal de pedra e uma espada colocada na vertical), e do historiador Francisco Augusto Pereira da Costa.
Em 1973 e 1976, ali foram empreendidas algumas reformas. Além de um mini zoológico, o Parque 13 de Maio recebeu duas esculturas em concreto, feitas por Abelardo da Hora: o vendedor de caldo-de-cana, e dois sertanejos nordestinos, sentados, tocando violão. E, nos anos 1980, por questão de segurança dos usuários e como medida de proteção contra o vandalismo que o Parque 13 de Maio vinha sofrendo, o local foi todo cercado por grades de ferro.
Cabe registrar por fim que, segundo a legislação municipal de 1979, o Parque 13 de Maio e a Faculdade de Direito foram declarados sítios de preservação histórica.

Biblioteca Pública do Estado

Foi criada durante a administração do Conde da Boa Vista, em 1841, mas só teve a sua inauguração, na sala de desenho do Liceu Pernambucano, no dia 5 de maio de 1852.

A biblioteca passou por várias mudanças, desde então. Ela foi instalada no Colégio das Artes (na Rua do Hospício), depois mudou-se para o convento do Carmo, em Olinda, e veio depois para um prédio situado na praça da República.

Em 1930, a biblioteca foi transferida para o prédio de número 371 da Rua do Imperador, onde, desde 1731, funcionava a Cadeia Nova, a segunda cadeia do Recife, e que, posteriormente, abrigou a sede do Senado da Câmara – o Fórum de Pernambuco.

Cabe registrar, a título de informação, que, na segunda cadeia do Recife, esteveram presos grandes patriotas brasileiros de 1817 e 1824, como o frade carmelita Joaquim do Amor Divino Caneca, conhecido como Frei Caneca. De lá, o frade foi levado pelas ruas do Recife, a pé, com destino ao Forte das Cinco Pontas, onde foi executado a tiros de arcabuz.
Em março de 1975, por não conseguir mais comportar os seus 70.000 volumes, a Biblioteca Pública mudaria novamente. Da Rua do Imperador, dessa vez, ela veio para um novo prédio situado no parque 13 de Maio, no bairro de Santo Amaro, local onde se encontra até o presente. No lugar da antiga biblioteca, instalou-se o Arquivo Público Estadual.

Desde 1975, a Biblioteca Pública passou a se chamar Biblioteca Estadual Presidente Castelo Branco. Hoje, o seu acervo conta com cerca de 100.000 livros, 15.000 folhetos, 430 mapas e 1.450 volumes de jornais, mas tem capacidade para abrigar 250.000 volumes.
Em se tratando de jornais, é possível se encontrar o Diario de Pernambuco desde o dia 15 de janeiro de 1828; o Jornal do Commercio, com exemplares anteriores à Revolução de 1930; e os primeiros exemplares dos jornais do Estado mais antigos surgidos em 1821, como Aurora Pernambucana, Segarrega, e Relator Verdadeiro.

No que se refere à seção de manuscritos, o acervo contém cartas e ordens régias, sesmarias, ofícios do Governo, patentes e atos de Câmaras Municipais desde a segunda metade do século XVII (época da Capitania ou Província). E, presentes na seção de raridades, existem livros raros, em suas edições originais, concernentes à História do Brasil colonial e à Geografia.

A Biblioteca possui seções de Coleções Especiais (periódicos, manuscritos, iconografia, obras raras), Referência, Atividades em Grupos, Extensão, Audiovisuais e Música, Biblioteca Circulante e Biblioteca Infantil.

Pela Biblioteca Estadual Presidente Castelo Branco passaram renomados pesquisadores e estudiosos, a exemplo de Gilberto Freyre, Pereira da Costa, José Antônio Gonsalves de Mello, Alfredo de Carvalho, Paulo Cavalcanti, entre outros expoentes da cultura brasileira.

Instituro Arqueológico, Histórico e Geográfico Pernambucano
Situado no edifício nº 130 da Rua do Hospício, depois de se instalar em vários pontos, o Instituto Arqueológico fundado em 1862, abriga o mais antigo Museu do Recife, com finalidade de divulgar e cultuar nossos heróis das revoluções de 1817 e 1824. seu acervo tem peças notáveis que traduzem a história de Pernambuco como o marco divisório originalda Capitania de Pernambuco com a de Itamaracá, canhões de bronze, mapas e plantas originais da época dos holandeses, painéis datados do século XVIII retratando a Batalha dos Guararapes, pinturas de vários personagens da história pernambucana, louças , porcelanas e mobiliário pernambucano dos séculos coloniais e do império, cerâmicas indíginas e mais um precioso arquivo de documentação histórica, além de uma rica biblioteca. É uma intituição aberta ao público para visitação e e pesquisa.

Museu de Arte Moderna Aloísio Magalhães – Mamam
É criado pela prefeitura do Recife em 1997, com base na Galeria Metropolitana de Arte Aloísio Magalhães, ativa na cidade desde o início dos anos 1980. Ancorado no reconhecimento da galeria e de seu criador – o artista e designer Aloísio Magalhães (1927 – 1982) -, o Mamam abre as portas em edifício localizado na rua Aurora, 267, as margens do Rio Capibaribe. Seu objetivo primeiro é tornar-se um centro de referência das artes visuais brasileiras, sensível às possibilidades de diálogo entre as tradições da cidade e a visualidade contemporânea, fomentando também a produção local. Trata-se de tentar inserir a cidade do Recife no circuito artístico nacional e internacional, divulgando a produção pernambucana: pintores, gravadores, ceramistas, ateliês e movimentos coletivos.
O acervo do museu conta com cerca de 900 obras, entre elas, óleos de Vicente do Rego Monteiro (1899 – 1970); a série Cenas da Vida Brasileira, de João Câmara (1944); As Pastoras e Rainhas do Maracatu, ambas de 1930, de Lula Cardoso Ayres (1910 – 1987); Recordações, 1985, de Cicero Dias (1907 – 2003); série Meninos do Recife, de 1962, de Abelardo da Hora (1924); obras do próprio Aloísio Magalhães e de artistas não pernambucanos, como Carlos Fajardo (1941), Nelson Leirner (1932), Alex Flemming (1954). A partir de 2001, o acervo do museu é ampliado com doações de obras de artistas contemporâneos de todo o Brasil: Adriana Varejão (1964), Daniel Senise (1955), Ernesto Neto (1964), Sandra Cinto (1968), Vik Muniz (1961), entre outros.
O Mamam, com salas de exposições para mostras de longa e de curta duração, uma livraria e um auditório para 50 pessoas, mantêm um setor de arte-educação – responsável pelo treinamento de monitores, realização de debates e atividades para alunos da rede pública – e o Centro de Documentação e Biblioteca Pintora Lígia Celeste – formado por livros, catálogos, revistas e dossiês de artistas brasileiros em geral e pernambucanos, em particular. Entre as mostras realizadas nos últimos anos podem ser lembradas: em 2001, as de Cildo Meireles (1948), Geografia do Brasil; Vik Muniz, Ver é Crer, e Miguel Rio Branco (1946), Pele do Tempo; em 2002, as de Antonio Dias (1944), O País Inventado e Nelson Leirner, Adoração; em 2003, as de Ernesto Neto, Sandra Cinto e Carlos Fajardo; em 2004, a de Iberê Camargo (1914 – 1994); em 2005, a de Gilvan Samico (1928) e, em 2006, de Dora Longo Bahia (1961).
Em março de 2006, o museu abre nova unidade, no Pátio Histórico do Recife, no centro histórico, voltada preferencialmente para experimentações no campo das artes visuais. Trata-se de área de 200 metros quadrados, divididos entre o piso térreo da casa e um mezanino de estrutura metálica. Entre as atividades previstas para o Mamam do Pátio estão exposições diversas (incluindo performances), debates, publicações e práticas de pesquisa, estimuladas por residências artísticas de curta duração, e dessas práticas devem resultar oficinas, debates, mostras, performances. O projeto educador residente, por sua vez, convida especialistas em educação em museus para interagir com o setor educativo das exposições programadas.

Hospital Geral do Recife

A história do Hospital Geral do Recife inicia-se a 19 de julho de 1817, quando o então nomeado Governador da Província de Pernambuco – Capitão General LUIZ DO RÊGO BARRETO, criava o Hospital Militar, o qual funcionava modestamente ocupando dois pavimentos do Convento de Nossa Senhora do Carmo, junto à Igreja do mesmo nome, tendo sido nomeado o seu primeiro Diretor, o Físico-Mor Dr. JOAQUIM DE CARVALHO. Naquela ocasião foram transferidos para o novo nosocômio todos os doentes e enfermos militares que se encontravam nos hospitais civis São João e Olinda.

Em 07 de agosto de 1820, por Decreto Imperial , foram instituídos os Hospitais Militares do Brasil, entre eles, o Hospital Militar de Pernambuco, ligando-se permanentemente a História do Brasil pela sua atuação no atendimento aos feridos e enfermos dos diversos movimentos revolucionários, destacando-se a Convenção de Beberibe e a Revolução Praieira.

Transformado em Hospital Regimental pelo Decreto de 17 de fevereiro de 1832, ocupou no ano de 1833, suas novas instalações no Prédio vizinho à Igreja da Soledade, recebendo depois a honrosa denominação de Hospital de Guarnição da Corte, de acordo com o Decreto 397, de 25 de novembro de 1844.

Num terreno situado aos fundos do Quartel do Hospício foi construído o Edifício-Sede do Hospital com a frente para a Rua Gervásio Pires, aspiração que se tornou realidade graça ao empenho pessoal do então Ministro da Guerra PEDRO DE ALCANTARA BELLGARDE, o Marquês do Paraná. As obras foram iniciadas em 19 de dezembro de 1854 e concluídas em 1858, pelo Maj Eng J.J. RODRIGUES LOPES. A ocupação das instalações foi realizada no ano de 1859. Em 1872 voltou a denominar-se novamente Hospital Militar de Pernambuco, de acordo com a Portaria de 13 de dezembro de 1871.

Com a Proclamação da República passou a chamar-se de Hospital Militar do Recife-2ª classe, de acordo com o Decreto 307, de 07 de abril de 1890. Foi elevado a Hospital Militar do Recife-1ª classe, pelo Decreto-Lei nº 4032, de 19 de janeiro de 1942.

Finalmente, pela Portaria Ministerial nº 284, de 08 de julho de 1953 (BE nº 28, de 11 de julho de 1953), passou a ter a denominação atual de HOSPITAL GERAL DO RECIFE (HGe R).

Um marco histórico na História do H Ge R deu-se no dia 21 de agosto de 1989, quando o mesmo foi ampliado. Atendendo estudo e proposta do então Diretor, Cel Med QEMA SEVERINO RAMOS DE OLIVEIRA, o Exmo Sr. Gen-Div AMAURY SÁ FREIRE DE LIMA, Cmt 7ª RM-7ª DE, autorizou a ocupação das instalações do Quartel-General do Comando da 7ª Região Militar e 7ª Divisão de Exército, que fora transferido para os pavilhões do antigo Colégio Militar do Recife, conforme Boletim Regional nº 139, de 26 de julho de 1989 e Boletim Especial nº 03, de 21 de agosto de 1989, do H Ge R. Desde então,o Plano Diretor de Modernização e redimensionamento de suas instalações vem recebendo apoio de todas as direções, chefias, comandos e dos altos escalões do Exército Brasileiro.

CONCLUSÃO
Boa Vista por ser um bairro no centro do Recife, hoje, muitas pessoas transitam por ele em busca de serviços, do comércio abundante, do movimento intenso que caracteriza as ruas e avenidas do bairro. E é decorrente a esses critérios que milhares de pessoas passam diariamente por ele sem atribuir tamanha importância em sua riqueza histórica e cultural.
Depois de analisarmos todos os pontos abordados é percpitivel que o bairro da Boa Vista tem muita história para mostrar, algumas vivas outras não, por isso há importância à preservação do bairro, restauraando de maneira que não aniquile seu caráter original.

REFERÊNCIAS

• http://www.recife.pe.gov.br

• http://www.fundaj.gov.br/

• http://www.itaucultural.org.br

• http://www.hger.com.br/

• O Recife e seus bairros, Carlos Bezerra Cavalcanti

• Trilhas do Recife:Guia turístico,histórico e cultural. João Braga

• Arruando pelo Recife, Leonardo Dantas Silva

• O Recife, um ‘presente’ do ‘passado’. Carlos Bezerra Cavalcanti

Entrevistados:
• Ivan Severino, responsável pela administração do Mercado da Boa Vista, desde 15 de março de 2001
• Graciliano, sacristão da Igreja Matriz da Boa Vista

Tags Categories: Sem categoria Posted By: Biu Vicente
Last Edit: 01 jun 2009 @ 07 59 AM

EmailPermalinkComments (37)
 01 jun 2009 @ 5:53 AM 

Universidade Federal de Pernambuco
Centro de Filosofia e Ciências Humanas
Departamento de História

Mendicância na Idade Moderna

Escrito por:

Daíla Rodrigues
Juliana Alves
Nathalia B. Lima

Recife
Junho/2009

Atividade apresentada à disciplina de Disciplina de História Moderna II, ministrada pelo Prof. Severino Vicente da Silva contendo um estudo sobre a mendicância na Idade Moderna, tecendo comentários desde a Idade Média chegando até Idade Moderna pondo à vista comportamentos tanto dos próprios mendigos como das autoridades dos Estados.

1. Mendigos na Idade Média

O processo que levou à formação de grupos ou pessoas isoladas que viviam em completa miséria, ao contrário do que possa parecer, não diz respeito somente às questões econômicas que envolveram os camponeses que, a partir do século XIV, principalmente na Inglaterra, começaram a ser expulsos de suas terras em decorrência do processo de arrendamento que estava sendo feito nas mesmas (esse fato vai ser melhor detalhado nos próximos tópicos deste trabalho), mas também a questões culturais que permearam a mentalidade da sociedade medieval.
Para a sociedade medieval a miséria não existia. As pessoas, mesmo vivendo nas condições mais adversas possíveis, sempre recebiam auxílio dentro das vilas e nos mosteiros e, por mais pobres que fossem, nunca passavam fome, já que sempre havia alguém para dar-lhes de comer. Segundo Laura de Mello e Souza, esses “miseráveis” eram chamados de “pobres de Cristo” e conviviam pacificamente com os outros indivíduos. Ainda segundo a autora, existiam pessoas que reclamavam da presença dessas pessoas, mas a mentalidade cristã do período medieval impediu que se desenvolvessem leis contra esses miseráveis, pelo menos até o século XIV.
Porém, a mendicância da Idade Média não se desenvolve sem subdivisões, sendo três destas tratadas mais detalhadamente nos tópicos que se seguem.

1.1 Os Eremitas
O ato de dar esmolas no período medieval estava muito associando com a questão da salvação, uma intermediação entre aquele que tem recursos e o próprio Deus. Entre estes dois estariam, portanto aqueles que resolveram viver dessas esmolas, considerando que a sua pobreza material enobreceria sua alma, trazendo-lhe riqueza espiritual e garantindo assim a sua vida eterna no paraíso.
Antes do século XI, esse grupo intermediário era chamando de Eremita, justamente pelo fato de não viver em uma região ou domicílio fixo. Esse grupo vivia em peregrinação e fazia das floretas a sua morada. Segundo Jean-Claude Schmitt, o período da conquista da terra santa, além de incentivar bastante a atividade dos eremitas, que viviam peregrinando em direção ao deserto, contribuiu ainda mais para o incremento das doações a estes.

2. O ressurgimento das cidades e as ordens mendicantes

A partir do século XII, a sociedade medieval presenciou o desenvolvimento de centros urbanos. Estes por si só já eram uma área marginalizada durante esse período, pois eram dentro de suas fronteiras onde se desenvolviam as atividades mais condenáveis durante a idade média, como a prostituição e a usura.
Assim, com o surgimento de um centro exclusivo para os grupos marginalizados da época, os mendigos também passaram a se estabelecer nessas localidades. Aqueles que antes viviam em peregrinação e desmembrados de qualquer tipo de organização formal, passam agora a fazer partes de “ordens mendicantes”, as quais têm como principio básico o voto de pobreza. Mesmo estabelecidos nas cidades, esses miseráveis ainda encontram muito apoio dentro da sociedade com seu pensamento cristão, de forma que eles ainda sobreviviam da caridade dos outros.
Essas ordens serviriam, portanto, de intermediários diretos entre os mendigos e os distribuidores de doações. Segundo Schmitt, os monastérios da época tinham organizações especializadas em cuidar dessas doações, autorizando inclusive que esses miseráveis fossem pedir esmolas em datas festivas, as quais os próprios monges determinaram quais seriam. Laura de Mello e Souza ainda complementa, dizendo que foi a partir do surgimento dessas ordens mendicantes que “as municipalidades e o poder público passam a se encarregar das esmolas” . Com isso, têm-se o início de um processo de alargamento da pobreza que, com as modificações ocorridas durante a Idade Moderna, vão culminar com Elizabeth I, a qual declara durante uma viagem em que percorreu toda a Inglaterra, vendo a pobreza que a ali se instalava, que o pauperismo é uma instituição nacional.

2.1 Os leprosos

O período medieval também presenciou grandes epidemias, as quais levaram parte de sua população ou a morte ou a pobreza extrema, já que esses doentes eram obrigados a abandonar seus postos de trabalho depois de infectados, para assim evitar que a doença se alastrasse ainda mais.

Entre os séculos XII e XIII, a Europa foi assolada por um grande surto de Lepra, tendo parte desses infectados se transformado em mendicantes. Sem poder conviver em sociedade, esses leprosos passam a ser enclausurados e abandonados e própria sorte em leprosários a beira das estradas, dependendo apenas da bondade de alguns. São Francisco de Assis, por exemplo, coloca-se na posição de defensor desses doentes, tendo dado inicio a uma das principais ordens surgidas nesse período.
Entretanto, no pensamento cristão da sociedade medieval, o auxilio a esses doentes era muito importante. Mesmo sabendo das possibilidades de contágio, muitos chegavam perto deles apenas para demonstrar sua fé perante as outras pessoas. O leproso era então considerado como “pobre de Cristo” e quem os ajudasse era visto por todos como um ser de extrema bondade. Cuidar de suas feridas ou dar-lhe um beijo (como fizera o rei Luis IX) era tarefa a ser realizada apenas por um verdadeiro santo de alma pura. Portanto, ajudar um desses doentes era encarado por muitos como uma “profissão de fé”, sendo assim uma tarefa a ser executada não por bondade em si, mas sim como um caminho para se chegar ao céu.
Porém, dentro da própria sociedade medieval já existiam indivíduos que pensavam de forma diferente. Segundo Schmitt, esses leprosos eram vistos com desconfiança, pois:
A lepra também é a prova corporal do pecado: a corrupção da carne manifesta a da alma. Por isso, o encerramento dos leprosos também é uma maneira de condená-los por seus supostos erros, ou pelos pecados que todos cometeram e que só eles vão expiar.

Assim, vemos aos poucos uma modificação no pensamento cristão do período medieval para um pensamento humanístico característico da idade moderna, que começava a modificar de forma substancial o pensamento dos homens da época, e atingindo direta ou indiretamente a atividade mendicante.

3. Mendigos na Idade Moderna

As transformações e os acontecimentos ocorridos entre o fim o período medieval
e o começo da idade média modificaram bastante a vida desses mendicantes. Sobre isso, Schmitt diz:
Nos século XIV e XV, a exclusão torna-se maciça. A “crise” do século XIV e, em primeiro lugar, a tragédia da Peste Negra suscitam e revelam novas formas de marginalidade que, até o fim da época moderna, têm um peso considerável sobre a evolução social; mendigos, vagabundos, criminosos atormentam os espíritos e provocam atitudes de defesa e rejeição.

Com o aumento do número de mendigos, as principais instituições que ficavam a cargo dessas doações (os monastérios), passaram a não dar conta de dar assistência a todos eles, tendo então, pela primeira vez, feito uma distinção entre aqueles de devem receber donativos e aqueles que não o merecem. Surgem então duas classes de mendigos: os “pobres de verdade” e os “mendigos válidos”. Os primeiros estariam aptos a serem ajudados, já que não possuíam nenhum meio de subsistência. Os que ocupam essa “classe” são muitas vezes os inválidos, doentes e cegos. Já o segundo grupo, como o próprio nome já diz, são aqueles mendigos que estão em condições de trabalhar, mas não o fazem porque são “vagabundos”, estando estes, portanto no grupo dos não merecedores de esmola.

A pobreza voluntária não era mais vista com bons olhos. No início do século XVI, as ordens mendicantes, antes tão auxiliadas, começam a ser acusadas de heresia pela própria igreja, acusações essas que na maioria das vezes não apresentam nenhum fundamento. Sofriam represálias pelo fato de se recusarem a trabalhar, já que queriam continuar vivendo em seu ideal de pobreza divina. Porém, esse pensamento medieval passou a ser renegado durante o período moderno, tendo essas ordens sido chamadas de inúteis a Deus e ao mundo.

Essas modificações trazidas pelo pensamento humanístico estavam diretamente relacionadas com as determinações dos estados nacionais nascentes e também pela intervenção da burguesia nesse processo. As modificações econômicas, as quais contribuíram ainda mais para o crescimento da pobreza no Ocidente, serão tratadas nos tópicos a seguir.

3.1 Os arrendamentos e o trabalho assalariado no campo e na cidade

A Inglaterra foi palco, já no início da idade moderna, de um grande processo de arrendamento de terras. Estas foram se transformando em um importante fator de produção da sociedade capitalista nascente, que utilizou a terra como pastagem para as ovelhas, as quais produziam a matéria-prima para os tecidos ingleses. Assim, essa nova fase de produção ficou marcada como um período de forte desapropriação de terra dos pequenos camponeses, os quais perderam o único bem de onde poderiam tirar o seu sustento. Segundo Karl Marx, em seu livro “A Origem do Capital”, era justamente isso que impulsionava essa nova fase de acumulação primitiva, pois, para ele:

O sistema de produção capitalista precisava, ao contrário, da condição servil das massas, sua transformação em mercadoria e a conversão de seus meios de trabalho em capital.

Ou seja, o camponês perdeu o seu meio de subsistência, ficando obrigado a vender a sua força de trabalho por um preço irrisório, primeiro no campo, depois nas cidades. As terras comunais, antes usadas para a agricultura, também passaram a ser arrendadas e transformadas em grandes fazendas usadas para a pastagem de ovelhas. Thomas Wright faz um resumo sobre esse aspecto na Inglaterra:

Em um grande número de paróquias de Hertfordshire, escreve uma pena indignada, vinte e quatro fazendas, abrangendo cada uma, em média, 50 a 150 acres, foram reunidas em três. No Northamptonshire e no Lincolnshire o fechamento das terras comunais foi realizado em grande escala; a maior parte dos domínios restantes dessa operação foi transformada em pastagens, a ponto de onde antes de cultivavam 1500 acres de terras não se cultivou, então, mais do que 50.

Na Escócia, a situação também era bastante grave. O processo de arrendamento já causava uma miserabilidade muito grande, chegando o local a ter, no fim do século XVII, o número de duzentos mil miseráveis vivendo em suas terras. Entretanto, mesmo já grave, o contexto desses mendigos escoceses ainda vai piorar ainda mais, pois, no inicio do século XIX, a Duquesa de Sutherland autoriza que os soldados ingleses expropriassem um antigo clã céltico que habitava as highlands de uma área de 794000 acres, sendo essa 15 mil pessoas relocadas para terras incultas no litoral, as quais contava cerca de seis mil acres. Esses camponeses também não receberam nenhum resgate por essas terras e nenhuma garantia de que não seriam expropriados novamente. Estariam, portanto, a mercê da vontade dos latifundiários. O mais emblemático nesse aspecto é que as antigas terras desse numeroso clã foram divididas para apenas 29 proprietários.

Na Inglaterra, essa mão-de-obra assalariada do campo, por não encontrar mais espaço para seu trabalho no interior, foi se transferindo para a cidade, sendo transformada aos poucos em trabalhadores baratos para a indústria nascente. Portanto, os arrendamentos do campo contribuíram tanto para os capitalistas num primeiro momento, os quais puderam dar inicio a sua acumulação primitiva do capital, tanto para aqueles responsáveis pelo empreendimento da Revolução Industrial do século XVIII, pois esses já encontraram uma mão-de-obra barata para lhes servir.

Entretanto, as cidades da idade moderna já não eram mais as mesmas do período medieval. Com o crescimento de seu prestigio, as classes consideradas marginalizadas anteriormente – os burgueses – agora faziam parte da estrutura do governo capitalista. Por isso, a cidade não podia mais aceitar de forma passiva a presença de grupos que não condiziam mais com a sua nova face. Com isso, a presença dos miseráveis não era mais tolerada e a chegada dos camponeses expropriados e sem recursos agravou ainda mais essa situação.

No final do século XVII e começo do XVIII, para coibir a presença deles nos centros urbanos, foram sendo feitas várias leis proibitivas a eles, tendo o próprio Oliver Cromwell instituído que só que poderia construir casa ao redor de Londres se elas possuíssem um terreno mínimo de quatro acres. Porém, leis contra esse grupo foram comuns na Inglaterra antes mesmo deste período, sendo feitas desde o século XVI.

3.2 A Inglaterra e as leis contra a vagabundagem

Os camponeses, após serem expulsos de suas terras, tiveram que se adaptar rapidamente a uma nova realidade, que era viver e receber um pagamento sobre a sua força de trabalho. Entretanto, segundo Marx, essa adaptação não foi bem assimilada por uma parte dos indivíduos, os quais passaram a viver como mendigos, criminosos ou vagabundos. A coroa inglesa, vendo o número desses indivíduos crescer, tratou logo de promulgar leis contra eles, de forma a tentar coibir essas atividades. Os quatro monarcas e suas leis que trataram desse assunto serão listados a seguir:

a) Henrique VIII (1530): Mendigos velhos podem implorar por caridade. Os que estivessem em condições de trabalho seriam obrigados a voltar para o seu lugar de nascimento e trabalhar lá. Sofreriam grande punição corporal sendo “atados à parte traseira de um carro, deviam ser fustigados até que o sangue jorrasse de seu corpo”.

b) Eduardo VI (1547): Todo aquele que for acusado de vadiagem será condenado à escravidão. Aquele que o tiver denunciado terá direito a usufruir de sua força de trabalho, sendo este escravo marcado com a letra S (escravo, do inglês slave). Qualquer escravo que tramar contra o seu dono será condenado à morte e os que fugirem deverão retornar a seu local de origem e trabalhar.

c) Elizabeth (1572): Mendigos maiores de 18 anos reincidentes na vadiagem serão executados. Os maiores de 14 anos que não estivessem empregados teriam a sua orelha esquerda marcada com ferro. Foi um período muito difícil e rígido para a atividade dos mendicantes, já que a punição severa foi realmente aplicada, tendo a Inglaterra presenciado de 300 a 400 execuções todos os anos após a promulgação desta lei.

d) Jaime I: Todos os mendigos serão considerados vagabundos, sendo punidos com a execução se reincidentes. Os açoites são comuns e os vagabundos que por acaso se rebelassem, deveriam ser marcados com a letra R no ombro esquerdo.

A aplicação de leis contra a mendicância esta associada também com a vontade de regulamentar a vida dos cidadãos, impedindo de que eles vivam de forma autônoma e sem a jurisdição do estado. Desde 1349, com o estabelecimento do “Estatuto dos Cidadãos” (do inglês, Statute of Labourers), A Inglaterra vem controlando os salários e as ações dos trabalhadores, o que, segundo Marx, contribuiu bastante para dar suporte à burguesia no seu empreendimento de acumulação primitiva. Dessa forma, o estado inglês precisava formular leis que impedissem que os indivíduos que não trabalhassem se desenvolvessem fora das rédeas da legislação, mantendo assim o controle severo sobre esse grupo e impedindo qualquer tipo de rebelião organizada destes.

3.3 Paris: a cidade dos mendigos

A França sempre teve um número muito grande de mendigos. Ainda no período medieval seu território era percorrido por peregrinos religiosos formados pelos “valets” (lacaios) e “campagnons” (operários). Desde cedo, esses mendigos começaram a se estabelecer em Paris e, segundo Marx, em meados do século XVII, “os vagabundos tinham estabelecido o seu reino e feito de Paris sua capital” (1979, p. 63). Essa situação acabou incomodando bastante a corte francesa, que no mesmo período, estava se transferindo para Versailles.
Entretanto, ao contrário da Inglaterra, a França não se preocupou em estabelecer leis contra esses mendigos, deixando assim que eles continuassem a viver na cidade em liberdade. Esse fato, claro, vai fazer com que os miseráveis se organizem de forma que conseguir força para poder reivindicar os seus direitos mais tarde.
Somente às vésperas da Revolução Francesa é que o monarca Luís XVI formulou uma lei contra a atividade dos mendigos, ordenando que fossem mandados às galés todos os homens saudáveis de 16 a 70 anos que não estivessem trabalhando por qualquer motivo. Entretanto, essa medida de nada barrou o envolvimento desses miseráveis com a Revolução. Juntos com todos os outros grupos envolvidos, os mendigos ajudaram a dar sustentação e andamento a revolução que terminaria por derrubar do trono a monarquia francesa, fazendo desta uma das principais rebeliões populares da época contemporânea.

3.4 O fenômeno picaresco na Espanha

O pícaro é o ser astuto, ardiloso, vigarista, vagabundo, solto de palavras e costumes. O picaresco é o cômico, ridículo, burlesco; o gênero literário que enfoca a vida e os costumes dos pícaros.
Na Europa o destino desses pícaros e mendigos é assunto da literatura menor, aquela ligada a cultura popular. Entretanto a Espanha não segue essa linha. Lá, as produções também da grande literatura tem esses personagens, seja como principal ou coadjuvante, tendo destaque no plano nacional estimulando a criação das estruturas da moderna prosa espanhola e de um novo gênero literário europeu.
A literatura picaresca espanhola traça um quadro da vida social. Uma visão de baixo do mundo. Seu objetivo principal é abordar o conjunto de ordem social, relações entre governados e governantes, papéis sociais de cada grupo, as normas morais e comportamentos coletivos vigentes, os destinos individuais.
O vagabundo nas narrativas era uma forma de críticas às estruturas sociais e valores morais, pois ele não estava dentro das normas vigentes e a sua existência é a prova da falha do sistema existente. Mesmo assim, aparece como uma figura de segunda ordem, tanto no interesse dos escritores quanto na sociedade. Poucas vezes, ou nenhuma, aparece como protagonista.
Essa literatura é plebéia. Apresenta-se autobiograficamente. Ganha efeito cômico com a grosseria e a vulgaridade. Deriva das camadas fabulares da cultura popular, mas é fruto de uma cultura de elite que responde à sua “demanda social” e visão da sua época. Mas também as massas plebéias recebem bem essa literatura participando dela mesmo que mais como ouvinte que como leitora, encontrando nela uma espécie de vingança contra a ordem social, assim como o sonho de mudança e sucesso. E isso é visto na astúcia do vagabundo e na vitória do malfeitor. Entretanto a imagem da miséria não podia ser retratada de forma explicita, pois as massas conheciam bem essa imagem. Dessa forma as narrativas sobre crime têm importância, por mostrar o pícaro de forma mais mascarada e assim conquistava todas as classes sociais.
Essa literatura foi associada ao crescimento da criminalidade na Espanha. Nela procurou se exprimir o ódio dos oprimidos em relação às classes privilegiadas, ou até preconceito dos cristãos novos perante a sociedade espanhola. Era, portanto, considerada um reflexo do crime espanhol. Então, por trás da trama literária, segundo pesquisadores, se esconde uma séria reflexão sobre a criminalidade como fenômeno social.
O jargão é amplamente utilizado e caracteriza os personagens da literatura picaresca. Segundo Geremek, os autores em contato com ela ou pelo contato direto, como Cervantes, ou pelo conhecimento baseado em literaturas anteriores.
Entretanto o que caracteriza, para os estudiosos, essa literatura picaresca é a figura sempre corrente do pícaro, pois todas as outras características são bem diversas quanto ao estilo e convenção.
O importante é notar como essas obras refletiam a sociedade espanhola daquele tempo, a qual estava passando por profunda crise econômica, nas relações entre classes, no Estado e nos comportamentos coletivos. Assim, de certa forma, essas obras parecem refletir que os valores tradicionais já não têm importância e não estão em vigor.
Entre 1598 e 1620 encerra-se a expansão espanhola pelos territórios ultramarinos e pela luta pelos metais mais preciosos gerando um aprofunda crise do império espanhol. Na verdade, a presença da Espanha demonstra o caráter da vida econômica do ocidente como superficial “sua colonização de caráter feudal, desfruta de modo consumista do afluxo de riquezas do Novo Mundo, sem promover investimentos no sentido moderno da palavra.” A Espanha não aplicava as atitudes de poupança e investimento na nova ordem burguesa. Assim, os romances picarescos mostram cavalheiros de distribuem os bens, mas pedem esmolas; que tem criadagem não o que comer.
O clima social daquela época favorecia o parasitismo. Os mendigos podiam contar com a generosidade e com a possibilidade de usufruir as migalhas da fartura dos bens de consumo. Os estímulos ao trabalho produtivo eram insuficientes, pois a miragem dos altos salários se espatifa diante da inflação contínua, dos preços que sempre aumentavam e, ao mesmo tempo, diante da possibilidade diante da possibilidade de levar uma bela vida graças à aventura, a fraude e ao furto.

Pierre Vilar, historiado e hispanista francês, descreve e caracteriza a Espanha no final do sáculo XVI e início do XVII:

Uma sociedade consumida pela história, um país no auge das contradições internas, no momento em que uma crise mostra em cheio toda sua indigência, país onde o vadio improdutivo, o indivíduo que vivia de rendas e agora está arruinado, o bandido fascinante e o mendigo desempregado andam pelas ruas e estradas.

Tudo isso fornece, às histórias picarescas, material suficiente para sucessos notáveis e façanhas incomparáveis.
Do ponto de vista sociológico, diz Geremek, o romance picaresco apresenta muito mais do que uma decomposição da Espanha naquele tempo; expressa a crise da sociedade aristocrática e da moralidade social, mostrando uma sociedade que não conserva seu código tradicional de comportamento e funções sociais. O pícaro é uma espécie de herói ou anti-herói introduzida pela Espanha na literatura mundial, é o modelo representante do meio plebeu.

O romance picaresco é considerado um gênero auto-biográfico, por mostrar a trajetória de um homem para chegar a ser um vagabundo, e cada uma das representações, muitas vezes parece ter relação com a própria vivencia dos autores com aquele meio.
Contudo, em geral, o romance picaresco é um retrato coletivo de um determinado grupo e o pícaro não é um ser de perfil social bem definido, ele incorpora indefinidas formas de acordo com a imagem que se deseja passar.
É importante ressaltar que muitas vezes esses vagabundos tinham, sim, empregos. Houve, inclusive, uma época que aumentou os empregos para criados, pajens e laicos e muito vagabundos conseguiram trabalho. Isso, no entanto, não quer dizer que deixaram de ser pícaros, pelo contrário, segundo Geremek, é aí que muitos conseguem colocar em prática as ações de vagabundo, como roubar, por exemplo. Além do mais, esses serviços não exigiam instrução mantendo-os como homens sem profissão, ou seja: vagabundos.

4. A arte da mendicância e suas leis

A mendicância é uma ocupação constante do pícaro. Às vezes via de passagem de uma condição para outra, outras é uma ocupação fundamental. A sua função é ser testemunha externa da extrema miséria ou (e) a expressão da vergonha/imprudência que pesa sobre a condição do pícaro. Ela oferece pretextos para produzir esboços das técnicas e figuras dos mendigos e para retratar a organização geral desse meio.
A astúcia e a fraude são o pão de cada dia do mendigo. Eles fingiam estar doentes e impossibilitados de trabalhar. A arte da mendicância exigia uma atenção contínua e grande experiência.
Mateo Alemán explica as “leis que regiam os mendigos”. Ele chamou Ordenanzas Mendicativas. Elas podem ser tratadas como exercícios estilísticos, “mas também é possível considerá-las um documento que reflete certo modelo de comportamento coletivo, ainda que tal modelo não derive de um código escrito” o lugar de observação para chegar a tais conclusões é Madri e Sevilha.
O estatuto dos mendigos refere-se a questões diversas da vida dos pedintes. Definem seus limites, aspecto externo das pessoas, ensino da arte, métodos para exercê-la, organização interna e costumes.
Ele proíbe os mendigos de se relacionar com os músicos itinerantes, cegos contadores de histórias, malabaristas, poetas, soldados e marinheiros desertores, pois a mendicância não tem nada a ver com essas categorias. Eles não podem conduzir cães dançarinos, exibir animais amestrados nas portas das igrejas ou durante a mendicância pelas ruas.
Com relação ao aspecto externo, eles devem carregar um cajado (com ponta de ferro, se possível; mas não carregar arma); não devem usar roupa nova ou de bom aspecto – e se receber alguma só pode ser usada no dia em que recebeu-; não usar grandes bolsas, as esmolas devem ser recolhidas em chapeis.
As crianças mendigam com os pais até os seis anos, depois disso é proibido. Após os 12 anos ingressa na profissão de mendigo, mas os três primeiros anos são para provar que aprendeu os ensinos de como se portar como mendigo. Além do mais, filho e pai mendigo será mendigo. As crianças estão proibidas de serem mandadas parar aprender alguma profissão, pois significa trabalhar muito e ganhar pouco.
A recusa à concorrência era outro aspecto abordado. Nos lugares de prática da mendicância vigora o tempo de permanecia e não a idade. É proibido tomar o lugar do outro e enganar uns aos outros.
Os as horas de trabalho eram: no inverno: início às 7h, verão: 5h, ambos com o fim meia hora antes do pôr-do-sol.
Quanto à organização interna, a comunidade era dividida em nationes cada uma dispondo do seu território em estalagens e albergues que funcionam como local de encontro. Lá, os mendigos discutem as questões correntes e se encontram para se divertir. Mendigos de nações diferentes não podem ficar juntos e nem comentar questões relativas à arte.
Também era proibida, pelo estatuto dos mendigos, a compra de carne ou peixe, para manter a coerência entre o modo de vida a aparência dos mendigos, os quais tinham uma condição social caracterizada pela miséria e fome.
Todas essas características da sociedade mendicante permanecem em uma ficção literária, mas demonstra como se pensava a organização dos mendicantes e alguns pontos refletindo uma observação dos costumes dos mendigos.
Na literatura espanhola os elementos um “anti-Estado” não aparecem com tanta força como aparece na inglesa e francesa. “A alienação do mendigo é um aspecto da sua condição social e não traz consigo uma marca de ameaça social”

5. Os ladrões e sua corporação

Tinha regras e lideres assim como a dos mendigos. A diferença é que eles apenas roubam e, não pedem e os que faziam parte da corporação eram de idade variada e, pela descrição literária, condições sociais variadas também (participam desde estudantes a prostitutas).
Na Espanha do século XVI e XVII os ladrões são referidos em diversas ocasiões. Felipe II decide transferir a corte parar Valladolid em 1601 e um poeta contemporâneo cita entre as causas da praga dos vagabundos e ladrões. Sevilha parecia ser a capital dos ladrões, era uma comunidade urbana que oferecia possibilidade de ganhos fáceis e de esconder-se entre a multidão anônima e etnicamente heterogênea. Lá o pícaro conseguia exercer todas as suas ocupações, do serviço ao furto, passando pela
mendicância . A riqueza daquela metrópole implicava em uma multidão de vadios e
criminosos comuns.
A arte do furto está estreitamente ligada a vida mendicante. Assim como o decorrer do destino individual o furto se segue à mendicância e às vezes as duas praticas são concomitantes.
.
Entre as categorias da arte do furto, estão:
• Salteadores: bandidos que operam nas grandes estradas e nos lugares desertos. As vezes recorrem ao assassinato para melhor esconder o crime.
• Estafadores: semelhante aos salteadores, mas não recorrem ao assassinato e agem de forma menos brutal.
• Capeadores: ladrões noturnos de sobretudo. Agem em grupo.
• Grumete: ladrões noturnos que sobem em apartamentos. Operam tanto na cidade quanto no campo.
• Apostoles: arrombadores que usam uma chave universal. O nome deriva do fato que, porque, como São Pedro, andam sempre com uma chave.
• Cigarreiros: operam em lugares em que tem uma multidão cortando o que podem.
• Devotos: ladrões que operam nas igrejas.
• Satyros: bandidos do campo, primitivos e selvagens. Roubam animais.
• Dacianos: se distinguem pela crueldade e falta de compaixão seqüestram crianças e as mutilam para depois vendê-las aos cegos, e outros vagabundos.
• Mordomos: providenciam provisões para o bando.
• Cortabolsas: batedores de carteira.
• Duendes: entram nas casas ao entardecer e esperam anoitecer para roubar
• Maletas: entram na casa escondidos em barris, frados ou cestas e durante a noite rompem o esconderijo e começam a pilhar.

O mesmo autor que descreve as categorias de ladrões, Andrés, denomina a sociedade de ladrões de republica, por ter em seu meio firmes leis que regem o comportamento geral, essas leis vão desde como roubar ao casamento da filha de um ladrão membro do grupo.
Além de presente nas obras picarescas, essa corporação de ladrões parece existir na realidade, não sendo, portanto, obra da imaginação de autores picarescos, mas sim de uma profunda observação dos pícaros-ladrões.

6. A recusa da socialização

Cervantes ilustra sua obra “a ilustre criada”, os heróis que escolheram a vida de vagabundagem, que vinham de famílias ricas, e que teriam condições de os sustentar, mas consideravam que a vagabundagem dá liberdade e alegria. Carriazo, personagem de Cervantes, se recusava a participar da organização social, era um trapaceiro e se alegrava em viver desse modo tendo, portanto, escolhido tal vida. Diferente do que parece acontecer em outros casos falados até agora, em que a miséria e a vida picaresca é condição herdada, sucessão profissional.

O gosto pela vida fácil, a aversão pelo trabalho e as más inclinações aparecem nas oras dos escritores espanhóis como fatores que explicam porque os pícaros escolhem o mau caminho; eles constituem a motivação e o elemento determinante da degradação social.

Em casos como o de Carriazo a vagabundagem parece ser uma forma passageira de aproveitar a juventude, é aí que a que a inclinação para a vagabundagem aparece de forma mais pueril e, ao que parece, livre de motivações sociais.
A liberdade mendicante é mais livre, pois não está sujeita ao controle social, as leias estatais. É uma liberdade que só os mendigos dispõem. Para eles, ao que parece, não estar sujeito as regras de um estado, por não serem considerados cidadãos, é uma liberdade pela qual vale a pela fazer e passar tudo o que fazem e passam.

O pícaro é um homem privado de qualquer propriedade, que dispõe apenas das próprias mãos, de uma experiência de vida e de sua engenhosidade para obtenção dos meios de sustento. É pessoalmente livre, não depende de ninguém, é dono
de suas próprias decisões, e se preta um serviço a alguém é por
sua escolha à procura de uma vida cômoda, mas essa dependência do serviço não tem caráter permanente.

O fato de procurar trabalhos não duráveis era exatamente para não estar na dependência fixa de um patrão. A escolha de ofícios que não exigiam qualificação profissional mostrava isso.
A vida vagabunda não é um modo de não se socializar, mas sem entrar numa vida anti-social. Ele é vitima das relações sociais e por isso “escolheu” (no sentindo lato da palavra) não seguir as regras sociais.
Cristobal Perez de Herrera fala em memórias sobre o problema da assistência aos pobres, à reforma das instituições de caridade. A casa dos pobres deveria fornecer assistência a esses mendigos e a medida que viam quem eram os que realmente precisavam de ajuda e não estavam nas ruas para vagabundear conseguiria diminuir essa “doença social” repreendendo, e aplicando o trabalho forçado para os vagabundos e falsos mendigos, pois o numero de vagabundos crescia continuamente, enquanto os “cidadãos de bem” diminuíam em conseqüência das guerras e esses que não contribuíam para a sociedade se proliferavam em larga escala.
Com essa análise de Herrera é visto, mais uma vez, que as narrativas picarescas mostram a realidade social. Ele fala sobre as confrarias dos mendigos, e o que lá faziam e como se utilizavam de fingimentos para conseguirem esmolas. Entretanto, Herrera é tendencioso por falar apenas das más inclinações, sendo um escritor político.

7. O caso português de punição à vadiagem

Os portugueses apenas começaram a se preocupar com a vadiagem, por volta dos séculos XIII e XIV, nos quais se cristalizaram leis repressivas visando aos mendigos e aos vadios ou vagabundos. Nesse sentido vale-se ressaltar a diferença entre vadiagem e vagabundagem. A pessoa dita vadia era considerada como aquela que “trabalha às vezes, mendiga com freqüência, rouba se aparece ocasião, e pode ser incidentalmente arrastado para a criminalidade e delinqüência”. Já o vagabundo era o que fazia uso de práticas delinqüentes. Acentuar-mo-emos, portanto, que o enfoque principal era dado às práticas de vadiagem, visto que era através dessa que surgia a vagabundagem.

8. Agora vamos mostrar algumas medidas que foram tomadas a esse respeito nos séculos referidos:

a) Em inícios do século XIII, um diploma régio autorizava a perseguição aos vadios, proibindo-os de habitarem o reino;
b) Em 1349, o rei Afonso IV expediu um documento visando limitar o número de ociosos, impedindo a mendicância, a vadiagem, negando o acesso deles a hospitais, e punindo quem os acolhesse;
c) Em 1375, houve a criação da Lei das Sesmarias, na qual o então rei, D. Fernando, buscava incrementar a agricultura e aumentar o número de trabalhadores rurais, compelindo a este trabalho: ociosos, vadios e mendigos. Com relação aos mendigos a legislação era enérgica e obrigava-os a trabalhar: “os ociosos que se negarem a exercer qualquer atividade seriam, na primeira vez, açoitados e, quando reincidentes, seriam açoitados com pregão, e ultimamente lançados fora do reino”. D. Fernando intencionava a cura destes males, porém não obteve grandes resultados, mormente, porque faltou-lhe uma elite que fizesse cumprir as leis. E “ao invés de serem absorvidos pelos trabalhos agrícolas, os desclassificados o foram pela aventura marítima”, afirma Laura de Mello e Souza em seu livro “Desclassificados do Ouro”.
As conquistas marítimas foram de grande importância na absorção dos mendigos e vagabundos de Portugal. Havia por parte da metrópole toda uma política de envio de seus desclassificados para as terras de além-mar a fim de povoá-las. O que levou muitos historiadores a darem por certo que as possessões ultramarinas foram sempre para a metrópole portuguesa o destino de seus delinqüentes. Por exemplo:
a) Em meados do século XVI, o rei D. Sebastião havia determinado que:
Dos vadios. Mandamos que qualquer homem que não viver como senhor, ou com amo, não tiver ofício, nem outro mester, em que trabalhe, ou ganhe sua vida, ou não andar negociando algum negócio seu, ou alheio, passados 20 dias do dia que chegar a qualquer cidade, vila ou lugar, não tomando dentro dos ditos 20 dias amo, ou senhor, com quem viva, ou mester em que trabalhe ou ganhe sua vida, ou se o tomar, e depois o deixar, e não continuar, seja ele preso e açoitado publicamente. E se for pessoa, em que não caibam açoites, seja degredado para África por um ano.
a) Em 1667, a coroa promulgou editos que ordenavam o sentencimento sumário de pessoas que esperavam julgamento: “os vagabundos foram degredados ao Marrocos e os responsáveis por ofensas mais graves seriam enviados ao Brasil”.

Assim sendo, podemos afirmar que os portugueses viam nas suas colônias de além-mar uma possibilidade de propulsionar seu povoamento com elementos socialmente desclassificados, ao mesmo tempo, em que a metrópole se via livre deles. A grande dificuldade da coroa era saber o que fazer com os vadios e as conquistas marítimas, bem como as possessões obtidas foram a solução para tal questão. Agora nós veremos como aconteceu o processo de desclassificação social em uma colônia em especial: O Brasil e depois mais especificamente na região das Minas.

9. O processo de desclassificação social no Brasil Colônia:

Para Laura de Mello e Souza o processo de desclassificação social brasileiro está ligado à estrutura econômica aqui implantada pelos portugueses, tendo por base a indústria agroexportadora e o escravismo. As flutuações e incertezas no mercado externo propiciaram o surgimento, no Brasil Colônia, de uma classe que permaneceu à margem da ordem social, enquanto que o escravismo bloqueou as possibilidades de utilização dessa mão-de-obra livre.
Sendo assim, as funções econômicas eram apenas definidas entre dois setores extremos da sociedade: senhores e escravos, e a camada que surgia entre eles era aos poucos considerada desclassificada, no sentido de que havia poucas chances de ser absorvida pelo sistema.
De acordo com Caio Prado Júnior, em seu livro “Formação do Brasil Contemporâneo”, a camada dos desclassificados ocupou o vácuo existente entre as classes extremas da sociedade. Ao mesmo tempo em que não possuía “estrutura social configurada”, sendo incluída no trabalho colonial de forma esporádica e incerta e mesmo assim ocupando funções que o escravo não podia desempenhar e que não estavam diretamente ligadas à produção, como: feitores, capitães-do-mato, milícias, ordenanças, desmatamentos e preparos do solo para o plantio etc. Há inclusive um fragmento de Sérgio Buarque de Hollanda, em seu livro “Monções” que deixa bem clara a formação desta camada intermediária no período colonial brasileiro:

Os próprios vícios do sistema econômico de produção tinham criado, em todo o Brasil colonial, uma imensa população flutuante, sem posição social nítida, vivendo parasitariamente à margem das atividades regulares e remuneradoras.

Dada essa pequena generalização em relação ao processo de desclassificação social no Brasil Colônia, vamos nos deter mais intensamente no processo ocorrido na região Mineira, bem como na utilização dessa classe intermediária em atividades secundárias, o que acabou por diminuir o peso que eles representavam para a sociedade à época.

9.1 Desclassificação nas Minas

O ciclo do ouro provocou um afluxo de gente para a região mineira, não apenas das províncias vizinhas como também metrópole. Entretanto as atividades mineradoras estavam vinculadas a pessoas mais abastadas, ficando a classe intermediária sujeita às intempéries da região como a fome. Essa fome foi mais significativa nos anos de 1697, 1698, 1700 e 1701, provocando inclusive o abandono de certas localidades já povoadas como Ribeirão do Carmo e da Serra do Ouro Preto.
A riqueza das Minas era distribuída entre um número pequeno de pessoas que se encontrava nas vilas e suas imediações, além das grandes propriedades. A população de um modo geral era pobre, à massa cabiam os trabalhos e vários tipos de extorsões. A pobreza foi, por diversas vezes na história brasileira e mais ainda no período da mineração, encoberta pelo luxo e pela ostentação de quem de fato obteve lucros com os produtos da mineração.
A alta sociedade e mesmo as autoridades classificaram a região das Minas como aquela de maior riqueza e opulência. Contudo o que representaram de fato foram o atraso econômico e a miséria, afirma o historiador mineiro Eduardo Frieiro, em trecho citado por Laura de Mello e Souza. Além da falta de oportunidade aos setores intermediários havia por parte da coroa a taxação crescente, sobretudo a partir de meados do século XVIII, dos produtos da mineração. Enriquecendo a metrópole e tornando mais pobres os mineiros. E, mais uma vez, a pobreza assumia o papel de ser proveniente da estrutura econômica implantada, no Brasil Colônia, marcada pela instabilidade social e pelo imediatismo do lucro a ser obtido.
Durante todo o período aurífero a situação foi difícil para o pequeno minerador que sequer podia se manter, não raro, caía em estado de miséria, muitos foram os que morreram de fome e outros tantos de doenças. Havia também aqueles que ficavam à vagar por entre os matos e roças, voltados para atividades agrícolas de subsistência esporádica e que não impediam que morressem de fome.
Somando-se os aventureiros do ouro aos vadios enviados por Portugal à colônia, no caso este, da região mineradora, formou-se uma camada de desclassificados que vagavam pelos arraiais, em estado de mendicância e vagabundagem – entenda-se vagabundagem como a prática de atos de delinqüência –. O que muito incomodava as autoridades coloniais. A diferença básica desses desocupados das Minas para aqueles do mundo em geral é que eles, geralmente, eram necessários e podiam ser aproveitados em outras atividades, como: nas entradas, na manutenção de presídios, nas obras públicas, dentre outras, como afirma Laura de Mello e Souza.
Acerca dessa problemática escreveu o desembargador Teixeira Coelho:

Os vadios são o ódio de todas as nações civilizadas, e contra eles se tem muitas vezes legislado; porém as regras comuns relativas a este ponto não podem ser aplicáveis ao território de Minas; porque esses vadios, que em outra parte seriam prejudiciais, são ali úteis.

Esse fato leva Laura de Mello a dizer que “por detrás da afirmação de Teixeira Coelho está a idéia de uma mão-de-obra alternativa à escrava, de uma espécie de exército de reserva da escravidão”.
O conde de Valladares, governador de Minas, em 1770, previa a eliminação dos vadios tanto pela expulsão da capitania como pela utilização dos desclassificados em tarefas secundárias. Havia por parte de Valladares a necessidade da repressão associada à utilidade. E foram várias as alternativas para a utilização desses marginalizados, como:

a) Entradas: os desclassificados foram utilizados nas entradas em substituição aos escravos, porque era oneroso ao Estado afastar o negro minerador de sua faixa diária de produção;
b) Presídios: o desenvolvimento e a manutenção dos presídios, criados em terras remotas e coma finalidade de combater o extravio de ouro e impedir o avanço dos índios arredios, foram de responsabilidade dos desclassificados. O envio destes homens ocorreu principalmente nas décadas de 60, 70 e 80 do século XVIII. As condições de vida nos presídios não era boa. Os vadios estavam sujeitos à fome e a calamidades variadas. Além do mais os prisioneiros, em sua maioria, eram responsáveis por crimes insignificantes como o de embriaguez, ficando o sistema prisional aquém da funcionalidade proposta inicialmente;
c) Obras públicas e Lavoura: trabalhavam abrindo estradas, também a ocupação nas lavouras dos presídios era encarado como obra pública. O trabalho agrícola em si estava ligado ao fato da terra significar a base sólida da economia colonial;
d) Polícia Privada: a formação de milícias privadas no interior do país que atendiam aos senhores locais. Como por exemplo: nos levantes ocorridos no sertão do São Francisco, em 1736, nos quais torna-se evidente a “participação dos vadios como corpo pessoal dos potentados do lugar”, descreve a autora de “Desclassificados do Ouro”. Essas milícias surgiram para manter o domínio dos senhores sobre seus escravos, suas propriedades, ou seja, aquilo que lhes fosse aprazível e indispensável à sua riqueza e ostentação;
e) Milícias e Corpos Militares: os desclassificados atuavam nos conflitos como corpos de tropa. Protegiam as fronteiras do Brasil Colônia ainda muito móveis e provisórias e, por isso mesmo, locais de disputas com grupos espanhóis, como: Sacramento e Sete Povos das Missões. Também eram convocados para combater movimentos populares como os quilombos.

10. Conclusão

Embora houvesse uma repulsa, por parte das autoridades, aos vadios eles eram comumente necessários aos momentos de dificuldades da coroa e serviam à manutenção do sistema, a consolidação das fronteiras, à continuidade do mando. Minas foi, de acordo com Laura de Mello e Souza, o lugar que mais ofereceu condições à proliferação desta camada intermediária, como também lhes tirou a razão de ser. Sua estrutura fez “com que o ônus dos vadios se metamorfoseasse em utilidade”. Não de forma irreversível, visto que eles eram úteis às atividades secundárias, não às de base e vez ou outra a sociedade sentia seu peso, mas de qualquer modo colaboravam para o bom caminhar do sistema.
E foi essa predominância da utilidade sobre o ônus que diferenciou o processo de desclassificação social do Brasil Colônia daquele realizado na Europa Moderna, onde a classe dos vadios, oriunda do capitalismo não foi reaproveitada, e sim repreendida, excluída, tratada como, na formulação do jurista de Lyon, “o peso inútil da terra”.

Referencias Bibliográficas:

GEREMEK, Bronislaw. Os Filhos de Caim: Vagabundos e Miseráveis na Literatura Européia 1400- 1700. São Paulo: Companhia das letras, 1955.
HOLLANDA, Sérgio Buarque de. Monções. 3. ed. São Paulo: Brasiliense, 2000.
MARX, Karl. A Origem do Capital: a acumulação primitiva. 3º edição. São Paulo: Global Editora, 1979.
PRADO JR., Caio. Formação do Brasil Contemporâneo. São Paulo: Brasiliense, 1971.
SCHMITT, Jean-Claude. A História dos Marginais. In: LE GOFF, Jacques (Org). A História Nova. São Paulo: Martins Fontes, 1998.
SOUZA, Laura de Mello. Desclassificados do Ouro: a pobreza mineira do século XVIII. Rio de Janeiro: Graal, 1982.

Tags Categories: Sem categoria Posted By: Biu Vicente
Last Edit: 01 jun 2009 @ 05 53 AM

EmailPermalinkComments (28)
\/ More Options ...
Change Theme...
  • Users » 1
  • Posts/Pages » 179
  • Comments » 2,366
Change Theme...
  • VoidVoid « Default
  • LifeLife
  • EarthEarth
  • WindWind
  • WaterWater
  • FireFire
  • LightLight

02 de dezembro de 1870



    No Child Pages.