O IDEÁRIO PEDAGÓGICO DO BISPO AZEREDO COUTINHO NO MUNDO LUSO-BRASILEIRO NO INÍCIO DO SÉCULO XIX

Luis Felipe de Lima Durval[1]

Resumo: Este trabalho se propõe a analisar o ideário educacional do bispo brasileiro Azeredo Coutinho (1742-1821), atenuado para o seu trabalho educacional na Diocese de Olinda através da fundação do Seminário Episcopal Nossa Senhora da Graça em 1800. Organizamos a redação do texto em três partes, a primeira, trataremos sobre a biografia do sujeito que ora estudamos e algumas de suas ideias principais, a segunda parte, discutiremos o mundo em que viveu Azeredo Coutinho, trataremos sobre o iluminismo luso-brasileiro e as reformas pombalinas no Brasil, por fim, na terceira parte, iremos expor as motivações para a criação do Seminário de Olinda e a aspiração pedagógica do bispo ilustrado. Algumas considerações que extraímos deste estudo é que a proposta educacional do bispo Coutinho, embora renovadora para o Brasil, foi mantedora de um status quo na relação Portugal-Brasil.

Palavras chave: Azeredo Coutinho. Seminário de Olinda. História da Educação

Azeredo Coutinho: senhor de engenho, economista e bispo

José Joaquim da Cunha de Azeredo Coutinho (1742-1821) foi um brasileiro de família abastada do Rio de Janeiro, advindo de uma classe senhorial canavieira de São Salvador dos Goitacás. Na cidade do Rio de Janeiro, fez seus estudos fundamentais de Gramática e Retórica e seus primeiros estudos de Filosofia e Teologia no Convento dos Carmelitas Calçados. Com a morte do pai em 1789, aos 25 anos de idade, Azeredo assumiu a administração das posses da família conforme o costume da primogenitura. Após seis anos à frente dos negócios da família, ele abdicou do seu direito e foi para Universidade de Coimbra, a convite do seu tio, o reitor D. Francisco de Lemos. Em Coimbra, Coutinho estudou Letras e Filosofia, e licenciou-se em Direito Canônico, onde tornou-se sacerdote e, mais tarde, foi sagrado bispo.

O bispo Coutinho foi um personagem controvertido pela historiografia[2], embora sendo adepto do liberalismo econômico, foi um ferrenho defensor da escravização negra, do absolutismo despótico e contrário a independência do Brasil, o que o distanciava dos liberais brasileiros do século XIX. As principais obras do fundador do Seminário de Olinda não foram escritas no campo da religião, tampouco em educação, mas área da economia[3], o que demostram que embora Azeredo tenha deixado o mundo aristocrático, a visão de sua primeira formação, “senhor de engenho”, ainda permanecia com ele. O historiador Sérgio Buarque de Holanda biografando Azeredo Coutinho assinala: “Deus acha-se estranhamente ausente da obra dêsse eclesiástico, salvo talvez onde pareça ajudar a justificar os apetites de alguns poderosos da terra.”[4]

Compreendendo o mundo a partir da casa grande, o bispo Coutinho defendeu ferrenhamente a escravidão, embora considerasse necessária a existência do trabalho livre nas condições típicas europeias. Em sua percepção, o trabalho livre no Brasil seria impensável, a liberdade estaria ligada ao controle do Estado sobre a propriedade, para ele, uma nação com muitas terras devolutas habilitaria o negro escravizado adentrar no interior das terras desconhecidas e recriar uma nova estrutura social, assim ele admite a necessidade da escravização no Brasil, na África e na Ásia, para garantir uma “melhor condição” para o escravizado junto ao senhor e garantir a ordem na sociedade.

“(…) entre as nações em que há muitas terras devolutas e poucos habitantes relativamente, onde cada um pode ser proprietário de terras, se acha estabelecida, como justa, a escravidão. Tais são as nações da África, da Ásia e da América: e entre as nações em que há poucas ou nenhumas terras devolutas e sem proprietários particulares, se acha estabelecida a liberdade, assim como na maior parte das nações da Europa; mas esta chamada liberdade não é devida às luzes ou ao maior grau de civilização das nações: é, sim, devida ao maior ou menor número de habitantes relativamente a o terreno que ocupa esta nação.” (COUTINHO, J. J.: 1798, p. 225, in: ALVES: 2001, pág. 84)

As convicções políticas de Azeredo Coutinho, são compreensíveis à medida em que identificamos que o prelado de Pernambuco era um funcionário da Cora e príncipe da Igreja. Sua preocupação em seus escritos e empreendimentos centra-se no pleno desenvolvimento da metrópole portuguesa, a partir da exploração de suas colônias. Vassalo real e fiel ao papa, as convicções políticas do bispo Coutinho não agradaram aos liberais brasileiros de seu tempo, além de defensor da escravização negra, era contrário a independência do Brasil em relação a Portugal, o que lhe conferiu a categoria de pensador colonialista pela historiografia do século XX.

“José Joaquim da Cunha de Azeredo Coutinho tem, a sujeita-lo, dois laços de subordinação: é um vassalo fiel – esta é a subordinação civil; é um príncipe da Igreja – e esta é a subordinação religiosa. Condicionam e molduram esses laços de subordinação todos os vínculos derivados de sua condição de classe: é o morgado de Mirapicu, grande senhor de terras e escravos, que abandou tudo para servir a Deus. [...] Está vinculado à metrópole, mas não esquece de sua terra, dentro dos moldes que lhe permitem seus sentimentos de saudade, afeição e apego, que também o condicionam.”

(SODRÉ: 1984, pág. 20-21)

Diferentemente do ponto vista político, Azeredo Coutinho, influenciado pelas ideias de Adam Smith, assumiu uma postura liberal na economia. Para Nelson Werneck Sodré (1984), seu pensamento econômico esteve integrado à Revolução Industrial e nas suas exigências mais prementes da época, o devassamento e a abertura das áreas enclausuradas. Ele combateu políticas monopolistas no Brasil[5] e alertou ao Reino Português sobre o comércio do açúcar que pudera crescer no mercado internacional com a desorganização da produção açucareira nas Antilhas.

Em seus trabalhos, apontou caminhos para “salvação” de Portugal, que naquele momento encontrava-se atrasado em comparação aos demais estados europeus, sobretudo a Inglaterra e França. Sobre o ponto de vista econômico, os lusos ainda se recuperavam dos desastres do Terremoto de Lisboa de 1755[6]. É pois, com este tom salvacionista que chega o iluminismo em Portugal, aliado ao absolutismo despótico, os intelectuais adeptos as ideias ilustradas detiveram-se a reparar o atraso do mundo luso em relação a outras nações europeias.

O iluminismo no mundo luso-brasileiro

O século XVIII em Portugal foi marcado pela penetração de novas ideias que circulavam na Europa através do movimento iluminista, tais ideias chegaram ao mundo luso através de intelectuais portugueses que fizeram escola nos principais centros da efervescência das Luzes da época, sobretudo na Inglaterra, Itália e França. Estes intelectuais burgueses, os “estrangeirados” como eram chamados, defendiam o desenvolvimento cultural do Império Português, através da difusão das ideias de base empirista e utilitarista, combateram principalmente o monopólio dos jesuítas na educação, considerado atrasado no modo de fazer ciência. Dom Luís da Cunha, Luís Antônio Verney, Alexandre de Gusmão e Sebastião José de Carvalho e Melo, foram alguns destes estrangeirados decisivos para uma nova prática política, educacional e administrativa em Português e suas colônias através do despotismo esclarecido[7].

“O pensamento do século XVIII foi marcado em Portugal pelo olhar estrangeiro. Muitos intelectuais lusitanos escreveram sobre a renovação da cultura portuguesa enquanto viviam no exterior. Eram homens ilustrados, com plena consciência do descompasso do país em relação à Europa. [...] O movimento e a circulação dessas novas ideias produziram maneiras diferentes de se olhar o tema da nação direcionadas para aquilo necessitava ser modernizado, para que se pudesse corrigir os malefícios que a cultura escolástica havia causado à pátria, fechando-se para o progresso da técnica.”

(FÉRRER: 1999, pág. 79-80)

Esta nova prática baseada na renovação ganhou força com a chegada de Dom José I (1718–1777) ao trono, seguida da nomeação de um destes intelectuais estrangeirados, Sebastião José de Oliveira de Carvalho e Melo, que fora para Corte da Inglaterra como diplomata português e, logo em seguida, enviado para uma missão diplomática no reduto da imperatriz Maria Teresa, na Áustria, de onde Carvalho pode compreender o movimento de afastamento da Igreja perante o Estado. Em 1756, assumiu o cargo de secretário de Estado dos Negócios do Reino, o posto mais alto do governo, tornando-se ministro plenipotenciário, em 1759 recebe o título de Conde de Oeiras e em 1769 torna-se o Marquês de Pombal, título que deu nome as suas reformas empreendidas no Reino Português, as reformas pombalinas.

A começar pela Universidade de Coimbra o processo de reforma educacional dos estudos maiores (chamado superior atualmente), deu-se com a criação da “Junta da Providência Literária” em 1770, a primeira providência deste organismo foi a redação de novos estatutos para Universidade. A base desta reforma foram as propostas dos pensadores estrangeirados Luís António Verney no Verdadeiro método de estudar (1746) e de Antonio Nunes Ribeiro Sanches nas Cartas sobre a educação da mocidade (1759) e no Método para aprender a estudar medicina (1763). O cerne do novo paradigma de ensino instituído com as ideias iluministas foi a superação do método jesuítico baseado no Ratio Studiorum[8]. Os estatutos foram criados como forma norteadora para o mundo intelectual em Coimbra, servindo também de molde para estatutos de outras instituições educacionais, tais como o próprio Seminário de Olinda.

“Partindo de uma crítica incisiva ao espírito escolástico predominante no período em que a universidade esteve sob controle jesuítico; desenvolvendo uma longa, minuciosa e contundente análise crítica da ética de Aristóteles, os reformadores decidiram-se a transformar radicalmente a tradicional universidade portuguesa.” (SAVIANI: 2013, pág. 93)

Todo este esforço esteve a serviço das proposições políticas do governo de Dom José I, a reforma educacional da época pombalina visou a formação de um novo corpo de funcionários ilustrados para burocracia estatal e à hierarquia da Igreja. A este respeito, as reformas não punham em questão o fim da formação religiosa, mas a preocupação central foi o reajustamento educacional às novas condições políticas e sociais. A visão regalista imprimia a subordinação dos assuntos da religião ao poder real e não a negação da religião, como pensou alguns iluministas franceses à época. O catolicismo regalista na dinâmica do despotismo esclarecido, serviu como aparelho para assegurar ao monarca as condições de realização da modernização econômica do reino, para isto foi criada a Real Mesa Censória, órgão de censura literária, e foi secularizada a Inquisição, para punir os subversivos, inimigos do Estado.

Diferentemente de Portugal onde as reformas educacionais foram empreendidas nas universidades, estas reformas empreendidas pelo Marquês de Pombal no Brasil iniciaram um período na História da Educação Brasileira denominado por José Antônio Tobias (1986) de “aristocratização do ensino”, segundo o autor, as reformas consistiram na expulsão dos jesuítas sem estabelecer um novo planejamento para substituí-los. Neste período, o ensino tornou-se inferior e mal remunerado, institucionalizou-se a instrução pública, obrigando o ensino em língua portuguesa nos colégios. Em contrapartida, a aprovação do Alvará Régio de 1759, além de ter extinta a presença dos jesuítas no ensino, viabilizou ao mesmo tempo a realização de concursos na Bahia para as cadeiras de latim e retórica, nomeou também os primeiros professores régios em Pernambuco, inauguração assim a fase da educação iluminista no Brasil. Consideramos como principal centro difusor destas ideias o Seminário de Olinda, uma instituição típica do período pombalino.

O Seminário de Olinda e a proposta educacional do bispo Coutinho

O Padroado Régio, aliança entre a Sé Romana e os Reinos Ibéricos, conferiu aos monarcas o poder de arrecadação do dízimo em suas colônias, bem como a responsabilidade pela construção de igrejas e sua manutenção, a nomeação de padres por meio de concursos e de bispos, tendo vigorado no Brasil na Colônia até o período Imperial. Os bispos neste acordo não possuíam autonomia para fundação de Paróquia, em resumo, o corpo eclesiástico da Igreja Católica não agia sem a permissão da Coroa, esta dependência afetou diretamente o processo de formação de sacerdotes na América. O recrutamento e a formação de clérigos esteve de maneira desorganizada, o que em muitos casos tornou a figura do padre muito mais ligada a um homem público, atuante na vida social e na administração de suas posses, do que propriamente ligado a compromissos de fé, tais como a disciplina celibatária por exemplo.

Em contrapartida, desde o século XVI, a Igreja no Concílio de Trento[9] (1545-1563) tratou de deliberar, dentre outras coisas, a disciplina do clero, a fixação dos bispos em suas dioceses e a criação de centros de formação para padres, os seminários. Na História da Igreja no Brasil percebemos que as determinações tridentinas começaram a serem implementadas tardiamente. Cumprindo parte da cartilha de Trento, no Alvará datado em 22 de março de 1796, D. Maria I (1734–1816) doou o Colégio dos Jesuítas e a Igreja Nossa Senhora da Graça com todos os seus pertences a Diocese de Olinda, para criação de um estabelecimento de ensino para formar jovens, visando à educação moral e religiosa, modificando assim a mentalidade sobre o sacerdócio na colônia.

Neste contexto, insere-se a fundação do Seminário Episcopal Nossa Senhora da Grasa[10], uma instituição de educação católica voltada para formação de padres e leigos, que fora fundada no ano de 1800, nas instalações do antigo Colégio dos Jesuítas e da Capela Nossa Senhora da Graça em Olinda pelo bispo D. Azeredo Coutinho. Como vimos, a formação educacional de Coutinho deu-se na reformada Universidade de Coimbra, no período pós-jesuítico, ou seja, uma formação baseada no iluminismo, que em Portugal caracterizou-se de modo singular pelo fortalecimento do poder real e pelo reformismo administrativo, protagonizado pelo Marquês de Pombal.

“O Iluminismo português encarnou um desejo incontido de modernização do reino, pobre e atrasado ainda na segunda metade do século XVIII, cuja justificativa apelava sempre para o estágio das nações europeias mais ricas e evoluídas.”

(ALVES: 2001, pág. 112)

Nos Estatutos do Seminário Episcopal de N. Senhora da Grasa da Cidade de Olinda (1798), uma das únicas obras voltadas propriamente para educação do bispo ilustrado, podemos identificar a finalidade educacional no pensamento de Azeredo Coutinho. Logo no preâmbulo, o bispo redige a função social daquele estabelecimento de ensino: “fazer Ministros dignos de servirem a Igreja e ao Estado[11], ou seja, a modernização do ensino esteve a serviço da formação de vassalos fiéis ao rei e ao papa. Azeredo Coutinho, exemplifica esta visão iluminista despótica presente no mundo pombalino e advogando nesta mesma direção à modernização do Reino, elaborou um projeto com uma solução a longo prazo para a superação dos problemas estruturais e inserção de Portugal na modernidade.

“Já aquelas outras obras de sua autoria [Azeredo Coutinho], de natureza mais pedagógica, como os dois ‘Estatutos’ [Seminário de Olinda e Recolhimento Nossa Senhora da Glória], são vistas como solução a longo prazo, se não da crise do sistema colonial, pelo menos das carências estruturais e históricas para a educação na colônia, tal como escolas, em maior número e qualidade, onde se forjariam os vassalos úteis e leais, segundo o espírito do tempo e as necessidades do sistema.” (SIQUIERA: 2012, pág. 157)

Para o pesquisador Gilberto Luiz Alves (2001), seu projeto pedagógico, materializado com a criação do Seminário de Olinda em 1800, possuiu um caráter eminentemente econômico. Para o autor, Azeredo Coutinho tinha clareza que a possibilidade de aumento de riqueza do reino já não seria viabilizada pelas navegações, nem tampouco pelo comércio marítimo, como foi nos séculos XV e XVI. Adviria pois pelo emprego de novos recursos, que eram para ele: o desenvolvimento da agricultura, a expansão das manufaturas e o pleno conhecimento das riquezas naturais do reino, visando sua futura exploração econômica.

A este serviço, Coutinho elaborou uma resposta educacional, seu ideário pedagógico pautava-se na formação de filósofos naturalistas, que estivessem dispostos a se interiorizarem nos sertões afim de que os recursos brasileiros (mineral, da fauna e flora) fossem explorados. Naquele momento, início do século XIX, ainda havia um profundo desconhecimento das riquezas naturais do Brasil, era necessário a realização de um imenso inventário para a devida exploração material do reino. Os filósofos naturalistas, cientistas da época, eram homens de gabinete e não almejavam fixarem-se nos sertões, para Coutinho quem estava habilitado a fazê-lo era justamente o sacerdote, por ser seu dever de ofício, estar no meio povo.

“O bispo de Olinda anteviu uma solução: se o indagador da natureza, por profissão, não deseja internar-se permanentemente nas brenhas, o homem que podia fazê-lo, até mesmo por dever de ofício, era o cura.” (ALVES: 2015, pág. 68)

O cerne desta formação ofertada no seminário esteve relacionado a um redirecionamento dos estudos clássicos humanísticos e entronização das ciências modernas (cientificas-humanistas) dentro dos quadros dos estudos filosóficos. Segundo Gilberto Luiz Alves (2001), esta formação fomentou uma visão de mundo burguesa, ou seja, preocupada com o domínio material, influenciada pela orientação pragmática das Luzes. Esta visão significou um distanciamento da proposta educacional dos antigos colégios jesuíticos, embora guardassem o mesmo formato, a preparação de jovens para hierarquia da Igreja e para conclusão dos estudos superiores na metrópole, a proposta educacional do fundador do Seminário de Olinda demarcou novas posições para elite eclesiástica nas relações do mundo luso-brasileiro.

O investimento de Azeredo Coutinho na formação de sacerdotes através da “Teologia da Ilustração”[12] criou uma sólida estrutura de ensino para formação de futuros padres e leigos, para o bispo beneficiariam a Igreja a o Estado, contraditoriamente, o que vimos é que professores e estudantes do Seminário fornecerem as bases intelectuais para as Revoluções Republicanas em Pernambuco, o currículo prescrito com as ideias iluministas acabaram influenciando movimentos de rompimento da ordem vigente, como as revoluções liberais de 1817 e 1824.

Azeredo Coutinho permaneceu na província de Pernambuco até 1802, quando ele retornou para Portugal para assumir o bispado de Bragança e Miranda. O bispo desempenhou papéis importantes na administração, esteve à frente da Diocese de Olinda, da Diretoria de Estudos, da Presidência da Junta da Fazenda, além de ter sido governador interino da Capitania de Pernambuco até 1802, último inquisidor-geral do Reino Português e eleito deputado as cortes constituintes no Rio de Janeiro, mas não chegou a assumir devido a seu falecimento. O Seminário de Olinda permaneceu funcionando com os estatutos elaborados pelo bispo Coutinho até sua desarticulação, após a proclamação da independência de 1817, seguido do seu fechamento, somente em 1836 o seminário foi reaberto, desta vez somente para a formação religiosa com novos estatutos.

Considerações finais

A compreensão da educação no início do século XIX nos permite identificar o processo embrionário de laicização iniciado pelo Estado, a partir das instituições religiosas. Através do ideário educacional do bispo Azeredo Coutinho notamos que as mudanças educacionais promovidas no período pombalino, possuíram um caráter reformista e não revolucionário, ou seja, estiveram a serviço da manutenção de um status quo da relação do Brasil com Estado Português, paradoxalmente sabemos que a difusão do pensamento burguês-iluminista no Seminário de Olinda, fomentou um terreno fértil para as bases intelectuais dos movimentos republicanos independentistas, contrário ao pensamento e proposta educacional do seu fundador. Deste modo, não podemos relativizar a importância de D. Azeredo Coutinho e do Seminário de Olinda na História da Educação no Brasil, que na historiografia da educação sua presença é ainda, muitas vezes, passada por despercebida, a história da educação atual passa pelo Seminário, pelo esforço modernizador de superação da “educação cristã” (Tobias; 1986), por um ensino cientifico-humanístico baseado nas ideias ilustradas.

Referências bibliográficas

ALVES, Gilberto Luiz. O pensamento burguês no Seminário de Olinda. 2 ed. Campinas, SP: Autores Associados / Editora UFMS, 2001

______. O Seminário de Olinda. In: FARIA FILHO, Luciano Mendes de; LOPES, Eliane Marta Teixeira; VEIGA, Cynthia Greive (orgs.). 500 anos de educação no Brasil. 5 ed. 1 reimp. Belo Horizonte: Autêntica, 2015.

BRAZ, Fabiana Schondorfer; CONTI, Paulo Fillipy de Souza. “D. José Joaquim da Cunha de Azeredo Coutinho: Um Bispo ilustrado em Pernambuco. Revista Tempo Histórico. Vol.5 – Nº 1. (2013) ISSN: 2178-1850

COUTINHO, J. J. da Cunha de Azeredo. Estatutos do Seminário Episcopal de N. Senhora da Grasa da Cidade de Olinda de Parnambuco: ordenados por D. Jozé Joaquim da Cunha de Azeredo Coutinho XII Bispo de Parnambuco do Conselho de S. Magestade Fidelissima fundador do mesmo seminário. Lisboa: Typografia da Acad. R. de Siencias, 1798.

FÉRRER, Francisco Adegildo. “O Marquês de Pombal e a instrução pública em Portugal e no Brasil (século XVIII)”. CLIO Revista do Programa de Pós-Graduação em História da Universidade Federal de Pernambuco. n. 18. Recife, UFPE, 1999.

SAVIANI, Dermeval. História das ideias pedagógicas no Brasil. 4 ed. Campinas, SP: Autores Associados, 2013.

SIQUEIRA, Antonio Jorge. Bispo Coutinho e o Clero Ilustrado de Pernambuco na Revolução de 1817. Revista Brasileira de História das Religiões. ANPUH, Ano V, n.14, setembro 2012. ISSN 1983-2850.

SODRÉ, Neslson Werneck. A ideologia do colonialismo: seus reflexos no pensamento brasileiro. 3 edição. São Paulo: Vozes, 1984.

TOBIAS, José Antônio. História da educação brasileira. 3. Ed. São Paulo: IBRASA, 1986.


[1] Licenciando em História pela Universidade Federal de Pernambuco (UFPE)

[2] “Transitava, por diversas vezes, entre o liberalismo e o pensamento conservador – até mesmo reacionário -, entre o religioso e o profano, entre o homem das luzes e o defensor da escravidão.” (BRAZ e CONTI: 2013, pág. 15)

[3] Ensaio econômico sobre o comércio de Portugal e suas colônias (1794); Memória sobre o preço do açúcar (1791); Discurso sobre o estado atual das minas do Brasil (1804) e Análise sobre a justiça do comércio do resgate dos escravos da Costa da África (1798), obra complementada pela Concordância das Leis de Portugal e das Bulas Pontifícias (1808). Estatutos do Recolhimento de Nossa Senhora da Glória (1798), que era um educandário para mulheres no Recife e os Estatutos do Seminário Episcopal de Nossa Senhora da Graça de Olinda de Pernambuco. (1798)

[4] HOLANDA, Sérgio Buarque de. Apresentação. In: COUTINHO, J.J. da Cunha de Azeredo. Obras econômicas de J. J. da Cunha de Azeredo Coutinho.

[5] “Combateu o monopólio do sal; o monopólio da exploração e da comercialização da madeira e o monopólio do tabaco. Combateu, igualmente, a taxação do açúcar, por diminuir a competitividade do produto brasileiro no mercado internacional.” (ALVES: 2001, pág. 88)

[6] “O Sismo de 1755, também conhecido por Terramoto de 1755, ocorreu no dia 1 de novembro de 1755, resultando na destruição quase completa da cidade de Lisboa, especialmente na zona da Baixa, e atingindo ainda grande parte do litoral do Algarve e Setúbal. O sismo foi seguido de um maremoto - que se crê tenha atingido a altura de 20 metros – e de múltiplos incêndios, tendo feito certamente mais de 10 mil mortos. Foi um dos sismos mais mortíferos da história, marcando o que alguns historiadores chamam a pré-história da Europa Moderna.” Disponível em: https://pt.wikipedia.org/wiki/Sismo_de_Lisboa_de_1755. Acesso: dia 15 de junho de 2018. 01h57.

[7] “Afirma-se, em muitos pontos, o poder real absoluto, inclusive em assuntos eclesiásticos, ao mesmo tempo em que se tenta limitar os poderes da Igreja Católica exclusivamente às matérias estritamente espirituais, ou seja, do foro íntimo da consciência. Toda a legislação desta época exalta o poder absoluto do rei, como defensor e protetor da Igreja, e o dever que ele tem de prover o bem, mesmo espiritual, dos seus súditos, em contraponto às teorias que reafirmavam os poderes do Papa e de seus delegados acreditados junto às Cortes europeias.” (FÉRRER: 1999, pág. 83)

[8] “O Ratio Atque Institutio Studiorum Societatis Jesu, mais conhecido pela denominação de Ratio Studiorum, foi o método de ensino, que estabelecia o currículo, a orientação e a administração do sistema educacional a ser seguido, instituído por Inácio de Loyola para direcionar todas as ações educacionais dos padres jesuítas em suas atividades educacionais, tanto na colônia quanto na metrópole, ou seja, em qualquer localidade onde os jesuítas desempenhassem suas atividades. [...] O método educacional jesuítico foi fortemente influenciado pela orientação filosófica das teorias de Aristóteles e de São Tomás de Aquino, pelo Movimento da Renascença e por extensão, pela cultura européia. Apresentava como peculiaridades a centralização e o autoritarismo da metodologia, a orientação universalista, a formação humanista e literária e a utilização da música.” Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/er/n31/n31a11. Acesso dia 16 de jun de 2018.

[9] O Concílio de Trento foi uma grande reunião de bispos convocado pelo Papa Paulo III dentro do movimento chamado de “reação católica”, em resposta a cisão da cristandade ocorrida com a Reformas Religiosas do século XVI, para assegurar a unidade de fé e a disciplina eclesiástica.

[10] Nome impresso nos Estatutos do Seminário elaborados pelo bispo Azeredo Coutinho em 1798.

[11] COUTINHO, J. J. da Cunha de Azeredo. Estatutos do Seminário Episcopal de N. Senhora da Grasa da Cidade de Olinda de Parnambuco: ordenados por D. Jozé Joaquim da Cunha de Azeredo Coutinho XII Bispo de Parnambuco do Conselho de S. Magestade Fidelissima fundador do mesmo seminário. Lisboa: Typografia da Acad. R. de Siencias, 1798.

[12] SIQUEIRA, Antonio Jorge. Os Padres e a Teologia da Ilustração – Pernambuco, 1817 / Antonio Jorge Siqueira. – Recife: Ed. Universitária da UFPE, 2009.

Tags Tags: ,
Categories: Azeredo Coutinho; Seminário de Olinda, Brasil
Posted By: Biu Vicente
Last Edit: 16 jul 2018 @ 11 55 PM

EmailPermalinkComentários desativados
\/ More Options ...
Change Theme...
  • Users » 1
  • Posts/Pages » 179
  • Comments » 2,366
Change Theme...
  • VoidVoid « Default
  • LifeLife
  • EarthEarth
  • WindWind
  • WaterWater
  • FireFire
  • LightLight

02 de dezembro de 1870



    No Child Pages.