Arquivos

Relatório Projeto OLINDA 1817 2017

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO
CENTRO DE FILSOSFIA E CIÊNCIAS HUMANAS
DEPARTAMENTO DE HISTÓRIA

RELATÓRIO DO PROJETO DE EXTENSÃO OLINDA 1817 2017

Prof. Dr. Severino Vicente da Silva

O projeto OLINDA 1817 – 2017 foi apresentado e aprovado pelo Pleno do Departamento de História da UFPE na reunião em novembro de 2016, com os seguintes objetivos:
• Acompanhar alguns aspectos do processo urbano-sócio-cultural do burgo olindense desde o ano de 1817 até 2017, como parte da rememoração de acontecimentos relacionados à chamada Revolução Pernambucana de 1817, também conhecida como a Revolução dos Padres, no dizer de Manuel de Oliveira Lima;
• Promover o intercâmbio de informações entre os estudantes do curso de História da Universidade Federal de Pernambuco – UFPE e partes da população da cidade de Olinda;
• Promover encontros de estudos e troca de experiências entre os alunos do curso de História da UFPE com setores da cidade de Olinda, em reuniões de estudos em diferentes locais de socialização, tais como, instituições culturais, instituições religiosas, clubes sociais, agremiações carnavalescas, etc.;
• Promover ações conjuntas de alunos do curso de História da UFPE e o Arquivo Histórico de Olinda, para localização, organização e seleção de material gráfico – fotos, mapas, plantas, etc. – da cidade de Olinda;
• Confecção de material didático – banners, diapositivos – a serem utilizados nas ações que formarão a realização efetiva do projeto;

O Projeto OLINDA 1817 – 2017 foi realizado em parceria com diversas instituições da cidade de Olinda, citadas a seguir: Departamento de História da Universidade Federal de Pernambuco; Prefeitura Municipal de Olinda; Secretaria de Patrimônio e Cultura de Olinda; Instituto Histórico de Olinda; Confraria de Nossa Senhora dos Homens Pretos de Olinda. Convento de São Francisco de Olinda; Sociedade de Defesa da Cidade Alta – SODECA; Associação Carnavalesca Cariri; Mosteiro de São Bento; Arquivo Público Municipal Antonino Guimarães – APMAG; Museu Regional de Olinda; Paróquia Nossa Senhora de Guadalupe.

1. Preparação:
a) Convidamos alunos do curso de História para participar do projeto e recebemos a adesão de oito, e fizemos três reuniões, fomos visitar o Arquivo de Olinda, mas a impossibilidade de conseguirmos bolsas arrefeceu o entusiasmo;
b) Entretanto fizemos uma página no Facebook, https://www.facebook.com/olinda1817/ e nelas nos comunicamos e trocamos algumas informações em torno do tema. A página foi utilizada para informar os eventos realizados.
c) Inicialmente entramos em contato com as entidades para saber de suas disponibilidades e aceitação do projeto, o que ocorreu nos meses de novembro e dezembro de 2016;
d) Discutimos com a equipe do Arquivo Público Municipal Antonino Guimarães sobre os temas e quais os professores convidaríamos para as palestras;
e) Entramos em contato com a Secretaria de Educação de Olinda para que viesse a se tornar uma parceira, mas não conseguimos ser recebidos pelo secretário de educação e fomos enviados para conversar com a Diretoria de Ensino que nos fez muitas exigências, como fazer várias capacitações para os professores em troca de liberar os alunos para as palestras. Não conseguimos firmar essa parceria;
f) Simultaneamente apresentamos o projeto a professores e especialistas e convidamos professores e especialistas para, graciosamente, palestrassem nos eventos.
2. A abertura do Projeto foi realizada no auditório da Prefeitura Municipal de Olinda, tendo sido proferidas palestras: de Aneide Santana, do Arquivo Municipal Antonino Guimarães; Luiz Beltrão, presidente do Instituto Histórico de Olinda, o Secretário de Patrimônio e Cultura da Prefeitura de Olinda e o professor Severino Vicente da Silva.
3. As palestras foram realizadas mensalmente nos espaços viabilizados por nossos parceiros na seguinte ordem:
MARÇO: OS ACONTECIMENTOS DA REVOLUÇÃO (Solenidade de abertura) Prof. Dr. Severino Vicente da Silva, UFPE. (Departamento de História) Realizada no Auditório da Prefeitura Municipal de Olinda.
ABRIL: O SIGNIFICADO DOS ESTUDOS JURÍDICOS, EM OLINDA SÉC. XIX. Prof. Ms. Luiz Delgado, UFPE. (Curso Jurídico) Local: Colégio de São Bento. Realizada no Auditório do Colégio São Bento.
MAIO: RELAÇÕES COM OS SERTÕES – Olinda e os Cariri: Sertões, seminaristas, comércio e carnaval. Prof. Ms. Plínio Victor (Secretaria de Cultura de Olinda) Local: Associação Carnavalesca Cariri.
JUNHO: O SEMINÁRIO E SUA HERANÇA CULTURAL – Pensamento de Liberdade em Pernambuco desde 1817. Prof. Dr. Caesar sobreira, UFRPE. Local: Instituto Histórico de Olinda
JULHO: AS ARTES EM OLINDA. Prof. Dr. Fernando Guerra, UFPE. (Departamento de Arqueologia). Local: Instituto Histórico de Olinda.
AGOSTO: O COTIDIANO E A TRADIÇÃO – O Cotidiano em Olinda no século XIX. Prof. Dr. Severino Vicente da Silva, UFPE. (Departamento de História). Local: Igreja de São João dos Militares
SETEMBRO: A CONVENÇÃO DE BEBERIBE. Mestre Plinio Victor, (secretaria de Cultura de Olinda), Mestre Aneide Santana (Arquivo Municipal Antonino Guimarães), Prof. Dr. Severino Vicente da Silva (UFPE). Local: Auditória da Prefeitura Municipal de Olinda.
Outubro: EVOLUÇÃO URBANA DA CIDADE. Mestre Alexandre Alves Dias (Arquivo Municipal Antonino Guimarães) e Prof. Flávio Dionísio (Museu Regional de Olinda) Local: Museu Regional de Olinda.
Novembro: A REVOLUÇÃO DA LIBERDADE E OS ESCRAVOS – Escravidão e Liberdade em 1817. Prof. Dr. Marcus Carvalho, UFPE (Departamento de História) Local: Igreja Nossa Senhora do Rosário dos Homens Pretos.
4. Para cada um desses encontros foi produzido Powerpoint referente aos temas das palestras, os quais foram expostos com equipamento cedido pelo Arquivo Público Antonino Guimarães.
5. As palestras foram gravadas, e foram decupadas pelo aluno Márcio Nascimento da Silva. As transcrições foram entregues aos palestrantes para que eles reorganizem e as disponham para uma possível publicação.
6. O Projeto foi encerrado com a palestra na Igreja de Nossa Senhora do Rosário dos Homens Pretos.
7. Devemos mencionar que alguns problemas, como viagem de palestrantes, e incompatibilidade de horários, fizeram com que as palestras tivessem ocorridas em horários diferentes, o que impediu a formação de um público permanente; por isso tivemos uma audiência flutuante numericamente, mas pudemos notar que, quando os encontros ocorriam em lugares mais próximos do comum, distante dos ambientes mais tradicionais, a frequência do público foi maior. Assim, as palestras ocorridas em ambientes mais populares, como clubes de carnaval e igrejas, foram as mais concorridas.
8. Chamou atenção o fato de que o comprometimento que ocorre na rede social não se converte em presença física efetiva, o que pode ser explicado pelo fato de muitos que acompanham pela internet estão, fisicamente distantes e impossibilitados de comparecer.
9. A página continua sendo visitada após o término do ciclo de palestras.
10. Foram realizadas fotografias que estão publicadas na página https://www.facebook.com/olinda1817/

Prof. Dr. Severino Vicente da Silva
Olinda, 11 de abril de 2018.

Curta e compartilhe:

Comments are closed.