Arquivos

Águas de Março e Rosas de Abril

Águas de Março e Rosas de Abril

O que escrever neste mês de abril, tão cheio de história, de acontecimentos que marcaram o percurso do povo brasileiro? Claro que se pode dizer o mesmo de quase todos os meses do ano, mas o início do outono parece ter sido muito marcante. Foi neste mês que nossos antepassados nativos desta parte geográfica da terra viram a chegada dos antepassados europeus. Foi momento de surpresa para ambos, e o tempo encarregou-se de mostrar a desigualdade nas relações entre eles. Uns ingênuos, outros controladores de alguns saberes construídos por séculos de experiências de muitos povos e culturas; uns abertos para a aceitação das novidades, outros interessados em tomar para si tudo de novo que encontravam.

Anos mais tarde, quando outros povos chegaram trazidos à força para aqui viverem como bestas, já restavam poucos nativos nas terras que lhes tomaram os europeus. As novas tecnologias mudaram os ritmos dos tempos e dos movimentos, e criam novos povos. Que se fazem em lutas, como a de abril de 1645 na Batalha dos Guararapes, outono da presença holandesa em Pernambuco e primavera da possibilidade de novos tempos, ainda sonhados de cooperação e igualdade entre as nações fundadoras.

Outro momento que foi escolhido para marcar a nação é o enforcamento do Alferes Silva Xavier, conhecido como Tiradentes, atividade que o tornava conhecido nas serras das Gerais. Embora Capistrano de Abreu não veja grande consequência naqueles acontecimentos, desde a ascendência do exército na vida política, que o Alferes vem sendo cultivado como herói. Assim, o outono de 1789, fica como marca fundante da nação. Alguns anos depois, em 1817, o outono foi marcado pela Revolução de 1817 que, embora tenha sido iniciada no mês de março, é ao longo de abril que se vive plenamente, pela vez primeira, o sentimento de República, representado pela supressão de tratamento que de note superioridade social entre os pernambucanos: todos são cidadãos.~

Abril de 1831 marca o fim do governo daquele que esmagou, com ódio, a Confederação do Equador, república nascida em Pernambuco, filha de 1817. Festas tomaram as ruas do Rio de Janeiro para celebrar a saída do último português que governava o Brasil. Durante anos o 7 de abril foi celebrado como a festa da Independência, pois é uma data que nos lembra a queda do tirano, dessa festa é que veio o Hino Nacional Brasileiro.

Abril de 1964 trouxe uma sequência de ditadores militares, mas a este abril parte da sociedade resistiu enquanto outra parte queria sua continuação. Venceu os que queríamos a República de volta. Com seu retorno vieram a assumir o poder os que desejavam continuar a ditadura e alguns que queriam outra ditadura. Precisamos estar atentos e recusar qualquer proposta de poder pessoal (em alguns casos esses indivíduos não permitem a emergência de nenhuma outra liderança). O Sete de Abril continua sendo uma data a ser celebrada.

Com as Águas de Março que fecham o verão, cultivemos As Rosas de Abril, com suas auroras de Liberdade.
Biu Vicente

Curta e compartilhe:

Comments are closed.