Arquivos

Uma tentativa de compreensão

Não sei se estou pensando bem, mas vou tentar dizer o que me vem à cabeça após ouvir o lamento de que o governo cortou verba para a Polícia Federal. Na verdade, por receio de um retorno dos militares,os governos desde 1988 diminuíram sensivelmente as verbas para as forças de segurança, externa e interna. Não temos aviação militar séria para garantir a soberania do espaço aéreo, nem navios para proteger as fronteiras oceânicas ou fluviais, como também não temos exército para garantir as fronteiras secas. Prova isso a crescente transformação do Brasil como rota de fornecimento internacional de drogas. Vez por outra toneladas de drogas são encontradas em helicópteros ou outro suporte de transporte.
As forças de segurança interna também estão defasadas,não há policiais – civis ou militares – para garantir a tranquilidade de um passeio familiar. Há áreas em cidades que os serviços públicos estão proibidos aos cidadãos, pois os criminosos dominam geograficamente o pedaço. Mesmo os espaços políticos foram tomados pela bandidagem que pode financiar estudos de leis a alguns que hoje atuam nas portas de cadeia. Nossos líderes, aqueles que elegemos para cuidar da nação enquanto nós produzimos a riqueza, dedicaram-se mais em fortalecer suas casas legislativas, criando privilégios para si e para o pode judiciário. Talvez gastemos mais com essas instituições do que com o cuidado com a saúde, a educação e a segurança. Esse egoísmo corporativo impede a formação de um sentimento de nação.
Nas universidades, assistimos pedagogos sempre dispostos a inovar (copiar as novidades que saem dos crânios de outras nações) não permitindo que nenhuma experiência complete seu círculo para podermos fazer uma avaliação coerente. Nosso ensino tem caído de qualidade em relação aos outros países, ainda que tenha melhorado quando se compara como passado, mas esse é um crescimento vegetativo.
Sim, não temos policiais em número suficiente para atender a demanda da segurança pública; não temos escolas e professores suficientes em número e boa qualidade para darmos os alto necessário para o futuro; não temos hospitais em número para atender o povo, além de que continuamos a promover a concentração deles em alguma localidades, impedindo o acesso aos atendimento, além de que formamos médicos sem consciência ética e social. O sistema prisional transformou-se em uma Escola Superior do Crime porque não foram investidos em programas de reeducação, como prevê a filosofia do Código de Direito Penal.
Entretanto temos o Parlamento, o judiciário e o ministério público mais bem pagos do mundo, cheios de privilégios. e a cada anos eles inventam mais um. Tivéssemos menos privilégios (aliás não deveria haver nenhum) o que se gasta com esse penduricalho poderia ser aplicado onde realmente a nação precisa. Mas Preferimos criar bolsas para quem lutou armado contra a ditadura, bolsa para quem não tem salário decente, bolsa para quem não tem emprego, bolsa para quem não teve escola decente, bolsa para quem está na prisão, etc. etc. etc. E essas bolsas serviram para adormecer o sentimento de desejo de melhoria e verdadeira mudança social. Muitos dos que dizem ter lutado pela democracia foram alçados aos parlamentos pois pareciam que amavam o país e seu povo.
Assistimos o desvelamento dessa mentira com a publicização dos roubos que praticaram desde que chegaram ao poder, eles e seus mentores mais antigos na arte de roubar o povo,oferecendo-lhes migalhas para sedar sua possível revolta. Amam Lula, Dirceu como amaram Ademar de Barros, Agamenon Magalhães, e tantos outros que foram sendo criados nas fazendas de gado, nas plantações de café, nos campos da borracha, na beira dos portos, nas plantações de cana e em tantos outros lugares de onde se formaram para criar a ilusão das superficialidades das aulas de história das escolas de samba e outras maneiras encontradas e apropriadas pelos criminosos para lavar seus crimes.
Agora, quando uma parte mais jovem desse aparato agiu para descortinar tantos crimes, vêm os criminosos, transformando ideias mater de nossa sociedade em jargões para diminuir mais ainda quem garante os serviços básicos (segurança, ensino, serviço médico) enquanto protegem os criminosos que enganaram duplamente o Brasil. Pena que os jovens estejam velhos pois aprenderam explicações sem terem conhecido o caminho da pesquisa para encontrar as causas. As pílulas de conhecimento ofertadas nos cursos preparatórios para concursos agora estão dando os seus resultados. Como diziam antigamente, cabeça vazia é oficina para o diabo, que as enche com o que ele deseja.

Curta e compartilhe:

Comments are closed.