Não é só o consumo…

Pois tenho visto algumas coisas nesse mundo, e elas me confundem. Penso que não devo pensar sobre elas, calar, deixar que as pessoas sabidas continuem falando e escrevendo sobre todos esses acontecimentos provocados pela paixão partidária, não tanto a paixão política. Assim é que posso entender a loucura de Luiz Inácio da Silva em sair tão apressadamente a chamar um candidato à presidência da República de farsante, ao mesmo tempo em que ofende diretamente um profissional da medicina,  apenas por pensar que essa atitude venha garantir votos para a sua candidata. Fosse Luiz Inácio da Silva agir como presidente da República, a primeira coisa que faria seria desautorizar a violência que foi praticada em via pública. Como não o fez, agora estou lendo aprendizes de sociólogos e professores escreverem em lugares de convivência virtual que a bolinha de papel foi pouco ou ridicularizar os jornalistas que fazem análise dos fatos, diferentemente do cabo eleitoral Luiz Inácio da Silva.

A candidata de Luiz Inácio da Silva poderá vir a ganhar a eleição do dia 31 de outubro, mas a Presidência da República está sendo diminuída em sua função de orientar os brasileiros. É uma pena que os pastores evangélicos e bispos e padres católicos que perfilam no palanque de Luiz Inácio da Silva tenham esquecido de lhe lembrar que “nem só de pão vive o homem”, e nem só com bolsa família se faz uma nação. O pão é necessário, mas sem ética e respeito civil não há sociedade democrática.

About the Author

Nascido em Carpina, na Zona da Mata Norte de Pernamabuco, cresci no Recife, onde fiz todos os meus estudos em escolas públicas. Sou formado em Teologia no Instituto de Teologia do Recife - ITER; licenciado em História pela UFPE, onde defendi dissertação sob o tema "A Primeira Guerra Mundial na Tribuna religiosa: o nascimento da neo-cristandade" e a tese doutoral "Entre o Tibre e o Capibaribe: os limites da igreja progressista na arquidiocese de Olinda e Recife". Publiquei Anotações para uma visão de Pernambuco no início do século XX, pela Editora Universitária UFPE. Sou pai de Ângelo, Valéria e Tâmisa,filhos de tereza; e avô de Rafael, Lucas, Tereza e Carolina . Agora sou pai de Isaac, filho de Manuela. Tenho pesquisado a cultura e a sociedade da Zona da Mata Norte de Pernambuco e dessas pesquisas publiquei Festa de Caboclo; Estrela de Ouro de Aliança, a saga de Uma Tradição; e Pretinhas do Congo, uma nação africana na Jurema da Mata Norte.